11 Coisas Que Aprendemos Com “Zappa”

11 Coisas Que Aprendemos Com “Zappa”

Redacção

“Zappa” é o nome do documentário sobre um dos maiores nomes da história do rock, realizado por Alex Winter, lançado a 27 de Novembro pela Magnolia Films, e que mostra a vida e obra do incrível guitarrista e compositor que foi Frank Zappa (1940-1993).

Para a realização deste precioso documento foram utilizadas gravações caseiras nunca antes vistas, bem como filmagens ao vivo e entrevistas que fazem parte do extenso arquivo do músico norte-americano. O filho Ahmet Zappa disse, na altura do lançamento, que este filme «é de longe o olhar mais íntimo e expansivo da vida inovadora de Frank Zappa, narrado por Frank nas suas próprias palavras».

Entretanto, num artigo publicado na Rolling Stone, que entrevistou o realizador Alex Winter, são enumeradas 11 coisas que podemos aprender com este documentário autorizado e há muito esperado. Do amor de Frank Zappa pela edição de filmes e pela «música feia» até à sua breve carreira como embaixador da antiga Checoslováquia, está tudo aqui.

Compositor, deus da guitarra, activista da liberdade de expressão, humorista, satírico, autor, actor ocasional e Embaixador Especial para o Ocidente da Checoslováquia sobre Comércio, Cultura e Turismo foram algumas das peles que Zappa vestiu durante a sua vida.

Zappa lançou mais de 60 álbuns, pelo que um documentário de duas horas mal toca a superfície da sua história, no entanto, a obra assinada por Winter serve como um argumento perfeito para as futuras gerações de fãs, cobrindo tudo, desde a estranha infância de Frank até à sua morte em 1993. E, embora nada seja demasiado revelador no filme – pelo menos para os devotos de longa data – aqui estão elencadas algumas coisas que todos poderemos aprender com “Zappa”.

O Interminável Arquivo | Ao longo do tempo foram vários os vislumbres das gavetas de Zappa – a série “Classic Albuns” dedicou episódios especiais a “Over-Nite Sensation” e “Apostrophe”, enquanto que o fluxo constante de lançamentos semestrais de arquivos da família foi dando pistas sobre a quantidade de áudio indispensável que ainda lá se mantém. Mas, no aspecto visual, a colecção privada de Zappa nunca foi ‘escavada’ a este ponto. «A maior parte deste material nunca foi visto», nota o documentário desde o início.

Zappa também fornece trechos rápidos de algum do material áudio mais intrigante do seu cofre, incluindo uma cassete rotulada “Clapton At Home” – na qual os dois deuses da guitarra tocaram na casa de Zappa – assim como outra cassete que capta o tempo em que Zappa e Captain Beefheart se enfiaram na cave para tocar. Outra preciosidade é a filmagem mais pura da jam dos Mothers Of Invention, de 1971, com John Lennon e Yoko Ono. No entanto, a montagem rápida do filme – talvez uma tentativa de espremer o máximo de imagens – é por vezes demasiado desorientadora, o que é irónico.

Zappa Sonhava Ser Editor de Filmes e Não Um Músico | «Fiquei obcecado com a edição e editaria apenas porque gostava de editar», diz Zappa a dada altura. «Juntava um filme de 8mm que estava em casa a qualquer outra coisa». Uma dessas vítimas seria o filme de casamento dos seus pais, em 1939, que Zappa pontuou com fotos inseridas de discos voadores e do holocausto nuclear. O documentário, felizmente, desvenda esta primeira prova de génio louco.

O amor de Zappa pela edição acabaria por tecer o seu caminho na sua música enquanto o guitarrista pioneiro que foi, no que ele cunhou de “xenochrony”, no qual depositou momentos capturados em palco – frequentemente solos de guitarra de cortar a respiração ou um certo ritmo de bateria. Zappa também saciaria mais tarde a sua sede de montagem com o “The Dub Room Special”, de 1983, que construiu numa instalação de pós-produção em Burbank.

Infância Estranha e… Explosiva | Filho de um químico, Zappa afirma que aprendeu a fazer pólvora aos seis anos de idade, e que a ocupação do seu pai numa fábrica em Maryland, onde armas químicas como o gás de nervos foram feitas, deixou a sua marca na sua psique e visão do mundo.

«Todas as pessoas que viviam no projecto tinham de ter máscaras de gás na sua casa para o caso de os tanques de gás mostarda se partirem», conta Zappa. «Os brinquedos com que me lembro de crescer eram os pequenos copos químicos que o meu pai trazia para casa e as máscaras de gás que estavam penduradas no armário do corredor». (A máscara de gás seria um motivo recorrente na música dos Mothers Of Invention).

Depois da família se ter mudado para a Califórnia, as predilecções de Frank em relação à química explosiva continuaram. «A última experiência que fiz com explosivos foi quando tinha cerca de 15 anos de idade», recorda Zappa. «Misturei esta quantidade de pó, que consistia de energia negra regular e depois 50% de zinco, 50% de enxofre, misturado com açúcar, e tentei incendiar a escola secundária que frequentava».

Um Artigo Sobre “Música Feia” Despertou o Interesse Pela Composição | Como Zappa revela no documentário, os seus pais «opuseram-se a qualquer envolvimento na música», mas um artigo numa revista sobre o magnata da loja de discos Sam Goody e a sua capacidade de vender “música feia” – especificamente, “The Complete Works”, de Edgard Varèse, um compositor francês de vanguarda – despertou o interesse de Zappa.

«Foi por causa desse álbum de Varèse que li na revista que comecei a escrever música de orquestra. Não tinha qualquer interesse em Beethoven, Mozart, ou em qualquer dessas coisas; simplesmente não me soava interessante. Queria ouvir um homem que pudesse fazer música tão estranha». Zappa acrescenta que escreveu música de orquestra antes de alguma vez ter tentado uma canção de rock & roll. A abordagem aventureira de Varèse à música continuaria a ser a principal influência ao longo da carreira de Zappa.

Foi o amigo de liceu de Zappa, Don – ou Don Van Vliet, também conhecido por Captain Beefheart – que apresentou o adolescente Frank ao R&B, doo wop e a outra das principais influências de Zappa, Johnny “Guitar” Watson. Zappa disse, a respeito da guitarra, um instrumento que mais tarde viria a dominar: «Assim que percebi que o tom mudou quando se pousou o dedo no traste, eu era um inferno sobre rodas».

Zappa Foi Prolífico, Excepto nas Amizades | «Eu não tenho amigos», admite numa entrevista alguns anos antes da sua morte. O documentário aborda a forma como o artista sempre deu prioridade à sua própria música em detrimento das relações pessoais, mesmo mantendo os seus colaboradores de longa data à distância de um braço.

A percussionista de longa data Ruth Underwood refere, no documentário: «Eu costumava pensar: ‘Ok, ele chamou-me aqui’. E não me refiro aos primeiros tempos. Falávamos por um minuto e depois nem sequer havia um ‘Obrigado por teres vindo’ ou um ‘Até logo’. Ele apenas virava para o outro lado, e eu estaria à espera que ele voltasse para trás e dissesse [algo], mas se ele voltasse para trás, diria: ‘Oh, ainda estás aqui?’. Como se eu tivesse sido despedido, sem sequer ter sido despedido… Pode interpretar isso como sendo, ‘Que idiota egocêntrico de merda’, mas penso que ele precisava tão só de si mesmo para fazer o seu trabalho».

«Os meus desejos são simples: tudo o que quero fazer é ter um bom desempenho e uma boa gravação de tudo o que já escrevi para poder ouvi-lo, e se mais alguém o quiser ouvir, isso também é óptimo», afirma Zappa numa entrevista de arquivo. «Parece fácil, mas é realmente difícil de fazer».

Esposa Invulgarmente Compreensiva | «Casei com um compositor. Não sei o que ele é para mais ninguém, mas para mim ele era um compositor. E é preciso estar fora de si para começar a assumi-lo», diz a viúva de Zappa Gail no filme durante uma entrevista exclusiva gravada antes da sua morte, em 2015.

O documentário cobre a espécie de momento agudo de encontro entre Frank e Gail – foram criados pelo infame “Suzy Creamcheese” com o único propósito de Frank ter sexo – e as tribulações que a sua união enfrentou. Era um casamento complicado em que Frank mantinha relações, por vezes de forma flagrante, com outras mulheres enquanto se encontravam na estrada.

Numa entrevista de arquivo, Zappa admite: «Sou um ser humano. Gosto de ter sexo. É preciso ser realista em relação a estas coisas: Vais para a estrada, amarras um monte de raparigas, voltas a casa e descobres que tens qualquer coisa, o que vais fazer? Manter o segredo da tua mulher? Então volto para ela e digo: ‘Vai buscar uma receita médica’. Então ela sai e vai buscar alguns comprimidos de penicilina, ambos os tomamos, e pronto. Ela resmunga de vez em quando, mas sabe, ela é minha mulher». Embora não fazendo vista grossa aos erros de Frank, o conselho de Gail para aqueles que consideram casar com um músico é simples: «Não tenham essas conversas».

Quando os Beatles Tramaram Zappa | O documentário reitera quão influente Zappa foi nos Beatles – «Eles disseram explicitamente: “Sgt. Pepper” foi a nossa tentativa de fazer o nosso próprio “Freak Out”», diz o guitarrista Mike Keneally. Mas os Fab Four não estavam propriamente gratos pela inspiração. Há muito que foi documentado que a edição da sátira a “Sgt. Pepper”, “We’re Only In It For The Money” (terceiro disco dos Morhers Of Invention, de 1968), foi adiada até à aprovação dos Beatles, mas em “Zappa” ouvimos a desilusão sobre o assunto nas suas próprias palavras.

«A MGM ficou em pânico de ser processada pelos Beatles e queria garantias legais de que os Beatles não os iriam prejudicar», diz Zappa sobre a capa de “We’re Only In It For The Money”. «Sei que falei pessoalmente com McCartney e disse… ‘Podes fazer alguma coisa para me ajudar?’ E ele, do outro lado da linha, respondeu: ‘Estás a falar de negócios? Oh, temos advogados que fazem isso’. Ele simplesmente não tinha interesse em participar numa discussão sobre as ramificações legais de uma paródia de uma capa do Sgt. Pepper».

Apesar do arrufo da capa, Zappa alistaria mais tarde Ringo Starr para o retratar no seu filme dos “200 Motels” e fez um jam em palco John Lennon no Fillmore East, em 1971.

A Má Experiência no Saturday Night Live | Quando Zappa apresentou o Saturday Night Live em Outubro de 1978, o estilo de vida do artista sem drogas entrou alegadamente em conflito com os membros do elenco do programa, muitas vezes a trabalharem sob o efeito das ditas cujas. Um sketch apresentava Bill Murray e John Belushi como sendo fãs de Zappa que se passaram quando souberam que os seus álbuns favoritos dos Mothers Of Invention não foram gravados sob a influência de drogas.

Foi por isso um Zappa cabisbaixo e de olhos fixos nos cartões com as suas falas aquele que apresentou o programa. «Pensei que todo o sketch me sugava e eu estava preso. Não me deixaram escrever nada para o espectáculo». Anteriormente convidado musical em 1976, Zappa nunca mais regressou ao SNL após o desastre de 1978.

Zappa Culpou MTV Pelo Declínio da Indústria Discográfica | Arte da performance, filmes bizarros (como “200 Motels”), animação de Bruce Bickford e vídeos de concertos eram componentes importantes na música de Zappa, pelo que se pensaria que o músico abraçaria a chegada da MTV, uma rede dedicada ao lado visual da música, de uma forma entusiasta. Mas o artista cedo reconheceu que os vídeos musicais teriam um impacto prejudicial e homogeneizante. «A indústria discográfica decidiu que esta era a onda do futuro e começaram a assinar apenas bandas com bom aspecto e toda a ideia era fazer ‘música de imagem’», diz Zappa no documentário.

«Quando o negócio da música ainda era mais ou menos sobre a gravação de canções, podia ter-se um disco de sucesso, se este se apanhasse numa de 10.000 estações de rádio diferentes na América. Agora, em vez de ter 10.000 hipóteses de fazer um êxito, tem uma». Zappa diria mesmo que «a MTV tem todas as companhias discográficas pelos tomates».

Ser Pai Ausente Inspirou o Maior Sucesso Comercial | Como o documentário mostra, a constante vida em digressão de Zappa fez dele muitas vezes um pai ausente. Em 1982, a sua filha adolescente Moon Unit colocou uma nota escrita à mão debaixo da porta do seu estúdio, que rezava assim: «Daddy, Hi! Tenho 13 anos de idade. O meu nome é Moon». O resultado foi “Valley Girl”, o maior e solitário sucesso que chegou ao Top 40 da carreira de Frank Zappa.

Zappa, Sinónimo de Liberdade na Antiga Checoslováquia | O filme abre e fecha com o que foi a penúltima aparição de Zappa no palco com uma guitarra, um concerto de 1991 em Praga, na altura Checoslováquia, recentemente democratizado pela Revolução de Veludo. «Esta é a primeira vez que tenho uma razão para tocar a minha guitarra em três anos», diz Zappa aos espectadores, muitos dos quais esperaram décadas para o ver ao vivo. «Por favor, tentem manter o vosso país único. Não se transformem noutra coisa».

Zappa teve uma influência improvável nos políticos que arquitectaram a Revolução de Veludo, incluindo Vaclav Havel, que viria a ser presidente da Checoslováquia e um notável fã de Zappa. «Na Checoslováquia, quando os jovens tocavam música rock, a polícia dizia-lhes: ‘Desligue essa música de Frank Zappa’. E, de repente, aqui está Frank Zappa. Ele era um símbolo desta liberdade».

Após o concerto de 1991, Vaclav Havel nomeou Zappa como Embaixador Especial da Checoslováquia no Ocidente para o Comércio, Cultura e Turismo, embora o título fosse de curta duração, já que o Secretário de Estado norte-americano James Baker, cuja esposa Susan estava alinhada com o “Parents Music Resource Center (PMRC)” – com o qual Zappa se incompatibilizou numa audiência em Washington D.C. – forçou o governo checo a retirar o cargo ao eterno artista.

Descobre as plataformas que exibem “Zappa” aqui.

EGITANA