A Carta de Despedida que Ennio Morricone Escreveu

A Carta de Despedida que Ennio Morricone Escreveu

Redacção

Antes de morrer, na plena posse das suas faculdades mentais e espirituais, o maestro Ennio Morricone escreve uma carta a despedir-se e a dispensar todo o seu carinho a amigos e familiares, particularmente ao grande amor da sua vida, a sua esposa Maria.

Ennio Morricone morreu ontem, dia 06 de Julho de 2020. O compositor sofreu uma queda, fracturando o fémur. Encontrava-se hospitalizado, mas acabou por não resistir. Segundo um comunicado da família, Ennio Morricone morreu «ao amanhecer de 6 de Julho em Roma, com o conforto da fé». O músico «manteve até ao último momento a lucidez e uma grande dignidade».

O seu estado de alma e mental é corroborado pela carta de obituário, escrita pelo próprio, onde se despede de amigos, familiares e da sua esposa, a quem deixou o «adeus mais doloroso».

O site noticioso Web24.news publicou a carta (que traduzimos)…

«Eu, Ennio Morricone, morri. Anuncio-o assim a todos os amigos que sempre estiveram junto a mim e aos que estavam mais distantes digo adeus com grande estima. É impossível nomeá-los todos. Mas há uma memória particular para Peppuccio e Roberta, amigos fraternos, muito presentes nos últimos anos das nossas vidas. Há apenas um motivo para me despedir de todos assim e celebrar o funeral em privado: Não quero incomodar.

Saúdo com enorme carinho Inés, Laura, Sara, Enzo e Norbert, por terem partilhado comigo e com a minha família tanto da minha vida. Desejo recordar calorosamente as minhas irmãs Adriana, María, Franca e fazê-las saber quanto as amei. Saúdo intensa e completamente as minhas crianças Marco, Alessandra, Andrea, Giovanni, a minha nora Monica e os meus netos Francesca, Valentina, Francesco e Luca. Espero que saibam quanto vos amei.

Por fim (mas não em último), Maria. Renovo os votos do extraordinário amor que nos uniu e que me entristece deixar. A ela deixo o meu mais doloroso adeus».

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.