Angus Young Fala na Perda do Seu Irmão: «Sinto o Malcom Comigo Quando Estou a Tocar»

Angus Young Fala na Perda do Seu Irmão: «Sinto o Malcom Comigo Quando Estou a Tocar»

Nero

Angus Young fala na importância do seu falecido irmão para os AC/DC e revelou o consolo que uma boa rockada lhe dava, já internado, nos seus últimos dias de vida.

Numa recente entrevista com a NME, à boleia do lançamento no novo vídeo dos AC/DC, que antecede o próximo álbum da banda, o guitarrista Angus Young confirmou que “Power Up” servirá de homenagem ao seu falecido irmão Malcom Young.

Malcom morreu em 2017, sofrendo de demência, aos 64 anos de idade. Quando ao novo álbum, Malcom surge creditado como um dos autores de todas as dozes canções presentes no disco. Angus Young relectiu, precisamente, sobre a importância de Malcom. «A sua morte foi um golpe muito duro para todos nós, mas continuo a opensar que ele está aqui quando estou a tocar. Pode parecer estranho, mas sinto-o comunicar comigo quando estou a tocar guitarra».

Angus referiu ainda, sobre os temas de “Power Up”, que essa música permitiu reconfortar o seu irmão, em muitas ocasiões, nos seus últimos dias de vida, já internado num sanatório para receber todos os cuidados paliativos possíveis. Angus fala das suas visitas ao irmão: «Tocava um pouco de guitarra para ele e ele ficava sempre imensamente feliz que o fizesse. Um dos últimos que meti a tocar para ele ouvir foi aquele onde os Rolling Stones pegaram em alguns velhos blues [“Blue And Lonesome” de 2016] e ele achava fantástico».

“Power Up” chegou no dia 13 de Novembro, sucedendo a “Rock Or Bust”, de 2014, e gravado durante um período de seis semanas entre Agosto e Setembro de 2018, nos Warehouse Studios, em Vancouver, com o produtor Brendan O’Brien.

Foi em 2019 que demos conta da intenção, agora confirmada, de que o novo álbum dos AC/DC fosse um tributo ao seu falecido fundador. Em 2018, a Gretsch Guitars também homenageou o músico australiano, através da réplica da sua guitarra, a G6131-MY Malcolm Young Signature Jet. Scott Ian, dos Anthrax, por exemplo, vincou a importância de Malcom e da sua música, nessa ocasião.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA