Apotheus, Banda Portuguesa Transforma Disco em Audiolivro de Ficção Científica

Apotheus, Banda Portuguesa Transforma Disco em Audiolivro de Ficção Científica

Redacção

A banda portuguesa Apotheus inspirou-se na obra do escritor de ficção científica e bioquímico norte-americano Isaac Asimov, para criar o trabalho conceptual “The Far Star”.

Segundo os Apotheus, «a aposta pode parecer arriscada, mas enquadra-se perfeitamente no universo muito próprio» do último trabalho da banda: “The Far Star” é um álbum conceptual lançado em 2019 – inspirado na obra do escritor de ficção científica e bioquímico norte-americano Isaac Asimov, – e cujo pack de coleccionador já incluía um livro com toda a história.

Neste formato de audiolivro, a narração de 45 minutos esteve a cargo do vocalista Miguel Andrade e conta com «um enredo sonoplástico capaz de fazer mergulhar o leitor e ouvinte no mundo fantástico criado pela banda». A interface de leitura é digital e há versões da história em português, inglês e francês.

A ideia de criar este conteúdo surgiu durante o primeiro confinamento, em 2020, quando todos os eventos de lançamento do álbum ficaram comprometidos. «Procurámos quebrar barreiras dos estereótipos e mostrar a amplitude das nossas valências artísticas», afirma Albano von Hammer, baterista dos Apotheus, adiantando que “The Far Star” saiu numa edição mundial através da editora sueca Black Lion Records e colocou o nome da banda um pouco por todo o globo – em especial junto dos fãs de rock espacial, heavy metal melódico e, claro, de ficção científica.

Todo o conceito do trabalho que agora está disponível para ler e ouvir foi explanado em música com o uso de texturas que remetem para filmes como “Passengers” ou “Interstellar”, entre outros. Os vídeos, sugestivos e com produção alusiva ao tema, foram dirigidos pelo renomado Guilherme Henriques. O audiolivro, escrito num formato de “short-story”, pode ser consultado aqui, no website da banda e em todas as plataformas de streaming.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA