10 Anos Depois Chega Novo Álbum de Marisa Monte [Streaming]

10 Anos Depois Chega Novo Álbum de Marisa Monte [Streaming]

Redacção
Alfredo Alves

Novo disco de Marisa Monte chama-se “Portas” e foi gravado entre o Rio de Janeiro, Nova Iorque, Los Angeles, Madrid, Barcelona e Lisboa.

Marisa Monte partilhou nas plataformas digitais o seu novo álbum “Portas”, um disco filho da pandemia e fruto de uma total mudança de paradigma. A artista explica, através de uma nota enviada às redacções, todo o processo que envolveu a composição e produção do novo trabalho.

«No começo de 2020, o meu plano era entrar em estúdio em Maio. Já tinha um repertório pronto, produzido ao longo dos últimos anos com diversos parceiros, esperando a hora certa de gravar. Mas, em Março, as portas fecharam e ficou impossível seguir com os planos. Como todo o mundo, entramos numa inevitável pausa de mil compassos. Passaram-se alguns meses até que pudéssemos compreender melhor a nova realidade cheia de protocolos sanitários, testes e máscaras», explica Marisa Monte, acrescentando: «Durante esse período, o repertorio cresceu. Fiz “Vagalumes” com Arnaldo Antunes e “Sal” e “Você não Liga” com o Marcelo Camelo, que também me trouxe uma música dele, “Espaçonaves”, que já estava pronta. Em Novembro, com uma equipa pequena, comprometida e testada, entramos no estúdio, no Rio de Janeiro, para gravar as primeiras oito bases».

A ideia inicial de Marisa era viajar e formar uma segunda banda, em Nova Iorque, «mas ficou impossível», por isso, arriscou experimentar uma gravação remota. «Com co-produção de Arto Lindsay, que trouxe a sua banda, arriscámos gravar duas músicas, “Calma” e “Portas”, eles num estúdio na rua 37 e nós no Rio via zoom. Para nossa surpresa deu muito certo o que nos abriu um novo universo de possibilidades e nos deu confiança de seguir com gravações remotas em outras cidades e com outras formações também».

Seguiram então alternando gravações presenciais no Rio, (mais bases, complementos e os arranjos do maestro Arthur Verocai e do trombonista Antonio Neves) e com gravações remotas em Lisboa (arranjos do Marcelo Camelo) e Los Angeles (a voz da minha jovem parceira Flor). «Gravámos ainda remotamente “Vento Sardo” em Madrid e Barcelona com Jorge Drexler, que apesar de estar pronta e fazer parte do corpo desse álbum, decidimos lançar a posteriori, como um single, quando nos pudermos encontrar ao vivo», promete Marisa.

As misturas foram feitas no Rio de Janeiro, Los Angeles e Nova Iorque. «Foi um grande desafio reinventar métodos de produção e abrir novos caminhos e experimentar num momento tão duro e de tantas incertezas, mas enfrentámos as dificuldades com criatividade e o cuidado necessário. O álbum ficou pronto entre Fevereiro e Março».

No que diz respeito ao regresso aos palcos, a artista brasileira assume que ainda não há uma data em concreto. «Ainda está difícil fazer planos. Dependemos da vacina e da maioria da população imunizada. Talvez no final do ano, se tudo der certo em 2022, a gente vai ter a alegria de se encontrar de novo. Comecei minha vida na música com 19 anos e nunca fiquei tanto tempo sem cantar ao vivo e sem encontrar o meu público. Estou sentindo muita falta, não vejo a hora».

Dispara o play para conferires, na íntegra, as “Portas” de Marisa Monte.

EGITANA