Beach Boys Reeditam Dois dos Álbuns Menos Amados da Carreira

Beach Boys Reeditam Dois dos Álbuns Menos Amados da Carreira

Redacção

Para comemorar o 50º aniversário de dois dos álbuns menos apreciados da banda, os Beach Boys vão editar “Feel Flows – The Sunflower & Surf’s Up Sessions 1969-1971” a 30 de Julho via Capitol Records/UMe.

Os Beach Boys têm algo importante a caminho: um conjunto de cinco discos que incluirá novas versões remasterizadas tanto de “Sunflower” (1969) como de “Surf’s Up” (1971), bem como 108 faixas anteriormente inéditas, gravações ao vivo, versões e misturas alternativas, uma gravação a capella, faixas isoladas de backing vocals e promoções de rádio das sessões do álbum.

“Feel Flow – The Sunflower & Surf’s Up Sessions 1969-1971” também traz um livro de 48 páginas com entrevistas novas e outras de arquivo com os membros da banda Al Jardine, Brian Wilson, Bruce Johnston, Carl Wilson, Dennis Wilson e Mike Love.

Do livro constam ainda notas do veterano da rádio e notável superfã dos Beach Boys, Howie Edelson. A compilação estará também disponível numa edição limitada em vinil dourado translúcido e vinil azul translúcido.

Entretanto, no início deste ano, a banda vendeu uma participação de controlo na sua propriedade intelectual, incluindo o nome, gravações principais, uma parte dos direitos de publicação e ainda memorabilia ao Iconic Artists Group, de Irving Azoff.

Liderados por Mike Love, os Beach Boys também participaram na controversa festa de Ano Novo de Donald Trump em Mar-A-Lago. A actuação aconteceu poucos meses depois de o grupo também ter tocado num comício da campanha de Outubro passado de Trump, uma decisão criticada tanto por Brian Wilson como por Al Jardine.

Antes do lançamento de “Feel Flow – The Sunflower & Surf’s Up Sessions 1969-1971”, os Beach Boys estão a celebrar o anúncio ao largar a faixa inédita, exclusivamente nos serviços de streaming, com o título “Big Sur”, tema que faz parte das sessões de “Surf’s Up”.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA