Brendan Perry, “Songs of Disenchantment – Music from the Greek Underground”

Brendan Perry, “Songs of Disenchantment – Music from the Greek Underground”

Nero

No seu novo trabalho a solo, Brendan Perry (Dead Can Dance) mergulha no universo da música popular helénica e das canções que os emigrantes gregos ouviam nas suas tavernas e cafés na diáspora.

Brendan Perry, depois dos dois últimos álbuns dos Dead Can Dance, continua mergulhado num profundo fascínio pela música e cultura helénicas. Desta vez a solo, editou o disco “Songs of Disenchantment – Music from the Greek Underground”. Perry gravou todos os instrumentos, além de assumir as tarefas vocais. O álbum foi trabalhado (arranjos, gravações e produção) nos Ker Landelle Studios. A masterização este a cargo de Aidan Foiley nos Masterlabs.

O disco está disponível para audição integral no Bandcamp oficial, o mesmo local onde podem fazer encomenda da versão física (em CD ou vinil) que, no entanto, só será expedida na Primavera de 2021.

Perry deixou considerações sobre a peculiariedade do álbum.

«Ouvi-a pela primeira vez, aquilo que muitos anos mais tarde vim a conhecer como música Rebetiko, em cafés e tavernas gregas dos subúrbios de Melbourne, no final dos anos 70. Estes lugares eram predominantemente espaços sociais para emigrantes gregos, que haviam chegado à Austrália em ondas sucessivas a partir do final do século XIX, e durante o dia eram populados por grupos de homens idosos a jogar gamão e a beber ouzo enquanto ouviam música laika (música popular grega) e rebetiko.

Também eu tinha emigrado para estes climas do sul uns anos antes, oriundo de Inglaterra, e o destino ditou que o nosso meio de transporte durante a viagem de seis semanas fosse um velho navio grego chamado “Ellinis”. Foi a bordo desse navio que começou a minha própria odisseia musical, quando comecei a aprender a tocar guitarra. Ao longo dos anos, o meu amor por “tudo o que é grego” nunca esmoreceu, especialmente em relação à música rebetiko. Acumulei uma colecção considerável de música gravada, instrumentos tradicionais e recordações ao longo dos anos que, eventualmente, me deu a inspiração e a educação valiosa necessárias para gravar algumas destas maravilhosas canções.

O facto de praticamente não existirem versões cantadas em inglês de canções rebetiko foi uma enorme surpresa para mim e acabou por ser a principakl motivação para partilhar estas canções com uma audiência familiar com a língua inglesa e também espicaçar a curiosidade dos ferrenhos tradicionalistas».

EGITANA