Bunny Kills Bunny, História de Amor de Uma Nova Banda Portuguesa em Tempos Pandémicos

Bunny Kills Bunny, História de Amor de Uma Nova Banda Portuguesa em Tempos Pandémicos

Redacção

Bunny Kills Bunny é o novo projecto de Ricardo Coelho e Joana Pena em resposta às quarentenas impostas em 2020 e 2021. “Brave New World” é o single de avanço para um EP a sair ainda este ano.

Recém-noivos, confinados, 24 sob 24 horas, Ricardo Coelho (Loto, Cavaliers Of Fun) e Joana Pena começaram a gravar música para passar o tempo. «Expurgaram tensões, desejos, frustrações e medos sob a forma de canções».

Gravar música que fizesse jus ao que ambos estavam a sentir durante o primeiro confinamento foi o mote e a razão que fez nascer os Bunny Kills Bunny. «Uma música que alimenta uma ideia de esperança e renascimento como forma de combate a um tempo lento, que não deu tréguas e que manteve a vida em suspenso a tantos nós», refere a banda.

O primeiro tema revelado, “Brave New World, surgiu como a resposta criativa a uma quarentena forçada. «Fazer música fez sentido e foi sentida na ordem dos acordes e palavras enquanto o mundo lá fora ardia». Ele com um percurso na música e experiência de bandas, ela que gostava de cantar e nunca tinha ouvido a sua voz gravada. Assim surgem as canções, que foram de certa forma «terapêuticas, pois ajudaram a lidar com o caos mental e com o desconforto de uma situação inédita e estranha».

São, dizem eles, «fotografias de um tempo». E é assim que a história começa. Como todas as outras e como nenhuma. «Um retrato de emoções mundanas, incómodas, bonitas e confusas. Um roteiro das aventuras interiores de cada um. Porque lá fora ainda arde e há um fogo por dentro a cuidar», explicam os Bunny Kills Bunny, cujo EP de estreia será editado ainda durante este ano.

Para já, fica com o primeiro single, “Brave New World”.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA