“Chelas é o Sítio”: Novo Colectivo Traz Mais Valor e Inclusão a Lisboa

“Chelas é o Sítio”: Novo Colectivo Traz Mais Valor e Inclusão a Lisboa

Diogo Catatão

Chelas é o Sítio é o nome da associação sem fins lucrativos, que juntou habitantes do bairro com o objetivo de trazer mais valor para uma das maiores áreas da zona de Lisboa através do progresso do potencial que esta, já por si, oferece.

Este colectivo é feito por todos e para todos, não só os que ali habitam, mas também para os que a visitam, fazendo desta região um sítio ainda melhor, pretendendo amadurecer em sintonia com a cidade de Lisboa. Uma das missões é unificar, ainda mais com base no trabalho conjunto da freguesia, como um todo, não pretendendo apenas em Chelas.

A associação é constituída por habitantes e nativos do bairro que pretendem trazer mais valor, mais união e mais inclusão para a freguesia. Embora sendo um projecto novo, o colectivo já conta com parceiros autárquicos, como o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, o Presidente da Junta de Freguesia de Marvila, António Videira, e um considerável conjunto de parceiros ligados à cultura, comunicação social, música, associações de cariz social e comércio.

Pelo papel activo que Sam The Kid tem, desde há uns anos, no que diz respeito a esta matéria, acaba assim por presidir ao colectivo, tendo dado o pontapé de partida que motivou a colocar os objectivos e missão no papel em conjunto com todos os que hoje tornaram este projeto possível, como o Nuno Varela, Adriano Finuras, Ricardo Gomes e o Zé Silva.

Por entre as áreas de intervenção em que o colectivo se predispõe a actuar, destaque-se a intervenção no espaço público, mais espaços verdes, mais equipamento urbano, desporto incluso, mais educação e ciência nas escolas e, através da organização de workshops, mais cultura e sustentabilidade

Chelas é o Sítio é apresentado ao público esta semana tendo como momento de kick-off o surgimento de um mural que será feito pelo artista Vhils numa rotunda à entrada de Chelas, situada na Rua Salgueiro Maia.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA