Cliff Burton Day [Livestream]

Cliff Burton Day [Livestream]

Nero

No dia 10 de Fevereiro, o dia de nascimento de Cliff Burton, tem lugar um livestream que visa celebrar a vida do lendário baixista dos Metallica.

O ‘Cliff Burton Day’ marca aquele que seria o dia do 59º aniversário do malogrado músico. Um livestream bem especial está agendado para às 19h no horário do Pacífico (às 03h já do dia 11 no nosso horário), a decorrer no Twitch e apresentado pelo cineasta Nicholas Gomez. De acordo com o Blabbermouth, vão surgir vários convidados no stream, incluindo amigos de Burton e váriosmúsicos, além de outras personalidades.

Burton morreu aos 24 anos de idade, na sequência dum acidente rodoviário, quando o tour bus dos Metallica se despistou, no dia 27 de Setembro de 1986, na Suécia. Burton gravou os álbuns da era dourada dos Metallica: ‘Kill ‘Em All’ (1983), ‘Ride The Lightning’ (1984) e ‘Master Of Puppets’ (1986). Em 2018 estreou “The Salvation Kingdom”, um documentário produzido e narrado pela irmã do músico, Connie Burton, o filme retrata vários momentos da infância do músico, bem como os seus hobbies e influências musicais. A homenagem inclui também entrevistas a músicos cuja trajectória musical foi influenciada pelo baixista.

Já em 2016 estreou “Landmark – Metallica: The Early Years”, uma mini série que conta as origens da maior banda de metal do planeta. A série documental está dividida em quatro episódios, cada um com entrevistas exclusivas com James Hetfield, Kirk Hammett e Lars Ulrich: “Metal Militia”, “Metal Up Your Ass”, “Sophistication And Brutality” e “Armageddon’s Here”. Os episódios são ainda pontuados com imagens rara de arquivo, intervenções de colegas da época e animações de Anthony Schepperd.

Por essa altura também, a Morley, em colaboração com Ray Burton, pai de Cliff Burton, homenageou o falecido baixista dos Metallica, através de uma versão do pedal que o músico tornou famoso – o Power Fuzz Wah!

De volta ao livestream, a transmissão estará disponível neste link.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA