Continua a Polémica Entre Fulltone e Reverb.Com

Continua a Polémica Entre Fulltone e Reverb.Com

Redacção

Mike Fuller, o homem por detrás dos pedais Fulltone, reivindicou a sua presença num segmento que o apresentava e aos produtos da marca num filme chamado “The Pedal Movie”, da Reverb.com. Entretanto, diz que abandonou o pedido, na sequência da resposta da Reverb aos seus polémicos posts no Facebook feitos em Junho.

Recorde-se que, em Junho, a Fulltone, através do seu CEO, teceu comentários polémicos nas suas redes sociais relativamente ao caos levantado nos Estados Unidos após a morte de George Floyd. Na altura, a cadeia Guitar Center e a Reverb recusaram-se a negociar produtos da marca.

Agora, na página oficial da Fulltone no Facebook, Mike Fuller escreveu: «Em relação ao próximo filme da Reverb.com, eu queria abordar isto com antecedência para que não possam alegar falsamente que me cortaram e que todos vocês ficam com a verdadeira história. Estava previsto que eu fosse apresentado neste filme, o segmento já tinha sido filmado, incluindo uma pequena actuação minha a tocar com um TubeTapeEcho em stereo entre um par de pequenos Fenders… tudo estava bem».

Fuller prossegue, dizendo que um empregado da Reverb decidiu então «suspender» a sua conta e «proibir os revendedores de venderem novos produtos Fulltone na Reverb.com» por causa de «coisas que eles pensam que publiquei no Facebook».

Na sequência deste caso, Mike Fuller alega ter exercido a sua «opção de não estar envolvido no projecto». Depois, chamou ao documentário – que explora as origens dos pedais de boutique – «história revisionista», uma vez que não vai apresentar os modelos da Fulltone. Entretanto, em declarações ao Guitar.com, um porta-voz da Reverb disse que «o filme não apresentará as cenas filmadas com Mike Fuller» e que «a influência da marca será citada através de entrevistas com outros agentes do sector».

Recorde-se que, em Junho, Fuller publicou um post na página oficial da Fulltone no Facebook abordando a natureza dos protestos na sequência da morte de George Floyd’s, declarando: «Estamos na quarta noite de pilhagens com 100% de impunidade. O maricas do Mayor e do Governador estão-se borrifando para as pequenas empresas, isso nunca foi tão claro».

O post original foi actualizado meia-hora mais tarde com um comentário de Fuller sobre a declaração original, em que se lia: «Já me sinto melhor, tendo feito surgir alguns meninos arrogantes que foram educados a urinar sentados. Agora vou apagar». Ambos os posts foram, de facto, eliminados (e as páginas da marca estiveram em baixo), mas claro que os screenshots passaram a ter vida própria na internet.

Como tal, não tardaram as reacções negativas por parte dos fãs dos pedais, levando mesmo um utilizador da Fulltone a contactar o endereço de e-mail de vendas da marca para acusar o designer de valorizar «montras sobre a brutalidade policial», ameaçando deitar fora os seus pedais Fulltone e deixar uma revisão negativa em resposta aos comentários de Fuller.

Na altura, o utilizador recebeu uma resposta desafiadora, supostamente do próprio Fuller, na qual se lia: «Imploro-lhe que venda os seus pedais porque na realidade não os merece. Na verdade, são tão racistas que acreditam que as boas pessoas que protestam são as mesmas que os criminosos de gangs organizados que saqueiam montras. Essas montras são boas pessoas que trabalham arduamente e que vivem da vida. Se o vir com um pedal Fulltone vou arrombar a sua casa e saqueá-lo, porque é a minha livre expressão para o fazer… certo?».

Capturas de ecrã desta resposta de e-mail foram então também amplamente divulgadas, gerando elas próprias mais reacções negativas. Foi depois publicado um pedido de desculpas na página do Facebook da Fulltone… antes de ser apagado pouco tempo depois. Depois de toda esta polémica, a Reverb.com suspendeu todas as vendas de produtos da Fulltone, escrevendo que os «comentários e comportamento recentes» de Mike Fuller violavam os seus valores de marca estabelecidos e os seus princípios, tal como estipulado nas suas Regras Comunitárias para Vendedores e Compradores.

EGITANA