Death From Above 1979 Anunciam Álbum e Estreiam Single

Death From Above 1979 Anunciam Álbum e Estreiam Single

Redacção

Os Death From Above 1979 estão de regresso aos álbuns, quase quatro anos depois. “Is 4 Lovers” sai 26 de Março através da Spinefarm Records e, em jeito de antevisão, a banda canadiana partilhou um primeiro single, “One+One”.

O sucessor de “Outrage! Is Now”, de 2017, foi escrito, produzido, masterizado e gravado pela própria banda, que é o mesmo que dizer que tudo foi feito por Sebastien Grainger (bateria) e Jesse F. Keeler (baixo). Contendo 10 canções, o novo disco assinala não só o renascimento como a reinvenção do som dance-punk formulado pela primeira vez pelo duo há cerca de duas décadas em Toronto.

“One + One” mostra a nova abordagem da dupla, uma vez que é distintamente DFA 1979 mas refrescante para os ouvidos de 2021. Segundo Grainger, é uma canção de amor e uma espécie de sequela cármica de “Romantic Rights”, faixa do disco de estreia “You’re a Woman, I’m a Machine”, de 2004.

«A minha mulher, Eva, ficou grávida pouco tempo depois de termos começado a trabalhar na canção, e depois de ouvir uma versão inicial ela disse: ‘Quem me dera que esta canção fosse mais dançável’. Por isso, voltei ao estúdio e voltei a trabalhar na bateria. À medida que o disco ia tomando forma, cada vez que voltava do estúdio, o bebé começava a dançar na barriga de Eva. Mesmo antes de eu entrar na sala, a festa começava. Um mais um são três – isso é magia!».

A nova canção vem com um vídeo da realizadora Eva Michon, que anteriormente dirigiu o documentário “Life After Death From Above 1979“, de 2014. «Desde que começámos a tocar, as pessoas subiam ao palco e depois diziam: ‘Não acredito que só há dois’», explica Grainger, rematando: «O vídeo para ‘Um + Um’ é a forma de Eva mostrar que a nossa banda é maior do que a soma das suas partes».

01. Modern Guy; 02. One + One; 03. Free Animal; 04. N.Y.C. Power Elite Part I; 05. N.Y.C. Power Elite Part II; 06. Totally Wiped Out; 07. Glass Homes; 08. Love Letter; 09. Mean Streets; 10. No War

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA