Delfins remasterizam obra-prima

Delfins remasterizam obra-prima

Redacção

O álbum conceptual Ser Maior vai ser reeditado e acompanhado do filme concerto no Portugal Ao Vivo, em 1993.

Está na lista da AS como um dos 10 grandes álbuns conceptuais portugueses. “Ser Maior – Uma História Natural” vai ser reeditado em versão remasterizada. O renascimento do álbum vem acompanhado de DVD com a actuação da banda num concerto que marcou uma geração, o Portugal ao Vivo, no antigo Estádio de Alvalade, em 1993. A reedição estreia dia 02 de Outubro. Miguel Ângelo escreve:

«Em Janeiro de 1993, abrimos os estúdios 1 Só Céu em Cascais e satisfazíamos uma das maiores ambições de qualquer banda: a de poder gravar, quase sem restrições, em estúdio próprio. Desde o ano anterior que preparávamos uma obra de fôlego – depois de uma “paragem de actividade” onde demos à luz e ao som o colectivo Resistência – e a abertura do estúdio criou-nos a oportunidade.

Éramos apaixonados pela música – e pela ideia de a fazer – desde os anos 70 e devotos de obras conceptuais como o “The Lamb Lies Down on Broadway”, dos Genesis (à qual eu assistira ao vivo – com oito anos de idade – no Pavilhão do Dramático de Cascais, em 1975), ou “Tommy”, dos The Who, que passou no grande ecrã como obra de culto adolescente.

Sabíamos que em plena época de rave culture e grunge poderia ser quase ofensivo desenterrar uma abordagem mais progressiva e sinfónica, amaldiçoada na música popular desde o advento do movimento punk. E foi por isso que o fizemos.

Hoje, “Ser Maior” – esgotado nas lojas desde meados dos anos 90 e inacessível nas plataformas digitais – é para muitos o álbum por excelência dos Delfins, antes da massificação pop com que a banda bateu todos os recordes que havia para bater em Portugal.

Se “Ao Passar um Navio”, “A Queda de um Anjo” e “Ser Maior” são o triunvirato visível do triplo vinil e duplo CD, lançado em 1993 e ante estreado no Portugal ao Vivo, perante um Estádio de Alvalade repleto, muitas das outras canções são tão ou mais efectivas no relato da viagem e metamorfose do delfim. São essas canções que esta reedição pede para serem (re)descobertas».

EGITANA