Descobertas Filmagens Raras dos Beach Boys a Alimentar as Cabras de “Pet Sounds”

Descobertas Filmagens Raras dos Beach Boys a Alimentar as Cabras de “Pet Sounds”

Redacção

A capa do clássico “Pet Sounds” mostra os Beach Boys a alimentar cabras no Zoo de San Diego. Agora surgiram as filmagens originais desse dia, momentos antes de a banda ser expulsa do local.

O disco é um clássico intemporal e a capa que o acompanha um ícone da cultura pop. Agora, 55 anos após a edição desse álbum, foi encontrado um vídeo de 24 segundos, a preto e branco, desenterrado pela estação de notícias CBS News 8, e que mostra os Beach Boys e alguns elementos da sua equipa a alimentar as cabras que acabaram por adornar a capa do álbum.

Segundo consta, a filmagem não correu inteiramente de acordo com o planeado e, na altura, o cronista do Union-Tribune Frank Rhoades, que denunciou o episódio, descreveu a banda como sendo «seis milionários com longos cabelos à Beatles e todos com botas engraçadas».

«Um deles atirou uma cenoura à cabeça de um dos tigres. Outro tentou bater na cabeça de um pequeno antílope através de algumas barras de ferro. Depois andaram por aí a pegar em cachorrinhos e pintos bebés. Algumas raparigas jovens que viram os Beach Boys a agir desta forma ficaram certamente desiludidas. O operador de câmara e o director de arte eram rapazes muito simpáticos, mas as coisas simplesmente descontrolaram-se», escreveu Rhoades, afirmando ainda que o superintendente do zoo, um ex-sargento-mor da Marinha chamado John Muth disse à banda que não eram bem-vinda ao zoo.

Já o Beach Boy Mike Love lembra-se das coisas de forma diferente, dizendo à CBS News 8: «Vamos deixar que o passado seja passado. Não faço ideia porque é que eles disseram isso. Talvez algo rude tenha sido dito ou feito, mas eu próprio me portei como um perfeito cavalheiro».

Por sua vez, o colega de banda Brian Johnston acusa os próprios caprinos de se comportarem mal. «As cabras eram horríveis», disse Johnston à Rolling Stone, várias décadas após o evento. «Elas saltavam e mordiam. Uma delas comeu o meu rádio. O jardim zoológico disse que estávamos a torturar os animais, mas eles deviam ter visto o que tivemos de passar».

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA