Desconfinamento: Discotecas e Bares Lisboetas Respiram de Alívio e Partilham Programação

Desconfinamento: Discotecas e Bares Lisboetas Respiram de Alívio e Partilham Programação

Redacção

A discoteca Lux, o RCA Club, o Musicbox e o Village Underground, em Lisboa, são quatro dos espaços que regozijam, nas redes sociais, com a reabertura apontada para dia 1 de Outubro. É o desconfinamento da vida nocturna.

LUX Frágil Deixa De Ser Cafetaria

As noites longas estão de volta à capital. «O Lux vai abrir na sexta-feira. Não será como casa de espectáculos, como cafetaria, snack-bar, restaurante, salão de chá ou rooftop panorâmico. Voltamos a ser discoteca». Assim começa o comunicado de imprensa daquela discoteca lisboeta sobre o desconfinamento total, no dia 1 de Outubro.

Lembrando que neste ano e meio não deixaram de o ser – «fomos discoteca a tentar ser outra coisa» -, os responsáveis daquele espaço sublinham que «é sabido que se trata de uma estratégia que nunca corre bem». Porquê? «Os nossos pequenos-almoços não eram assim tão bons, os livestreams não matavam o vício a ninguém. A rigidez dos nossos procedimentos internos era digna de um serviço de finanças. Trocámos o amanhecer pelo pôr-do-sol e, mesmo não lhe tendo chamado sunset, foi uma traição. Tentámos mudar acima das nossas possibilidades – quem nasceu para ser discoteca nunca perceberá a razão para se despejar leite num café e nunca será mestre em servir um galão sem princípio. Não podem dizer que não tentámos, mas também não precisamos de palmadinhas nas costas», respondem os responsáveis do Lux.

«Estamos contentes. Teve de chegar uma pandemia para se descobrir que estávamos no sítio certo, a fazer a coisa certa, da maneira certa. Dúvidas houvesse. Somos bons a tirar imperiais, a misturar bebidas destiladas e a cortar limões, bons a acomodar bêbados, a jogar com as luzes, a passar música, a juntar pessoas. Somos muito bons a tornar o deboche num assunto sério e a dança numa função vital. É isso que vamos voltar a fazer a partir de sexta-feira.  Espalhem a notícia», concluem.

O LuxFrágil abre as portas sexta-feira, pelas 22h, para acolher o concerto de Co$tanza. A seguir, é festa até o Sol raiar. Mais programação aqui.

RCA: Concertos Em Pé e Sem Restrições e Musicbox

Do Cais da Pedra a Santa Apolónia, damos um salto até Alvalade, onde os responsáveis do RCA Club se mostram igualmente muito felizes com a reabertura daquele espaço. «Parece que é agora… Dia 1 de Outubro aparenta ser o primeiro dia do resto das nossas vidas!», escrevem no Facebook.

Sexta feira, apesar da obrigatoriedade do uso de máscara, «vamos poder trabalhar em pleno, com a lotação máxima, pessoas de pé, sem condicionamentos no consumo de bebidas alcoólicas… Vamos ver quem vai aderir, após tanto tempo sem o poder fazer. As vozes que clamaram “aos ventos” que não queriam assistir a concertos no RCA CLUB sentados em mesas de esplanada, têm a oportunidade de o fazer em pé já a partir do próximo dia 1 no espectáculo dos Gwydion e dos Enchantya, sem restrições».

Os responsáveis agradecem ainda «a todos os que se sujeitaram às restrições e sentaram, ajudando a manter a casa viva, bem como a todos os que ajudaram desde o início da pandemia, quer com donativos, quer adquirindo merchanding. VOCÊS SÃO GRANDES e por isso ainda estamos cá!».

Com esta luz de fim de túnel, e enquanto não acontecem as tão esperadas tours internacionais, no RCA Club vai-se trabalhando «somente com produções nacionais que rivalizam em qualidade com os seus colegas estrangeiros».

O mês de Outubro também apresenta uma novidade no RCA Club, o Chá das 4, com abertura de portas às 16h00. E, no mês seguinte, haverá mais Rock & Metal e ainda as comemorações do oitavo aniversário daquele espaço. Estão ainda programados concertos de Iron Beast, Gods Of War, Rock em Stock, Rockline Tribe, Semagrama, Noise Dolls Club, T. Perry and the Bombers, Blackallica, Viralata e Suspeitos do Costume.

Já o Musicbox, no Cais do Sodré, foi bem mais lacónico e bem-humorado, postando uma imagem nas redes sociais que continha a frase: “Comunicado: Vai abrir. Não percam os sapatos”. A programação para Outubro já é conhecida e conta com nomes como Nuno Lopes, Moullinex & Xinobi, Anna Prior, entre outros.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Musicbox (@musicboxlisboa)

Village Underground Reabre 18 Meses Depois

Também o Village Underground, para os lados de Alcântara, vai reabrir as portas do clube quando bater no relógio a meia-noite e um minuto desta quinta-feira dia 30 Setembro. Será a primeira noite de clubbing, com pista de dança, sem máscara, sem limite de capacidade nem de horário, desde o encerramento, há 18 meses.

Para celebrar a ocasião, será o próprio “host” do Village Underground, Gustavo Rodrigues, a actuar até às 06h00 da madrugada de sexta-feira. Para entrar é obrigatório apresentar certificado digital (com vacinação ou testagem em dia).

O Village Underground tem já um alinhamento com o melhor talento nacional e internacional, residente em Portugal, por enquanto, para os meses de Outubro e Novembro, que vai desvendando nas suas plataformas, nomeadamente Instagram e site oficial em vulisboa.com.

Para o fim-de-semana que se aproxima e que inclui ainda, como bónus, uma véspera de feriado, esperam-se grandes momentos de reencontro e comunhão na pista de dança. Na sexta-feira com King Kami, DJ Caring e Wrong Island (B2B), no sábado com John-E e Caroline Lethô e na segunda-feira com Chima Hiro, Early Jacker e 2old4school.

Os DJ sets na esplanada ao final do dia irão também continuar até que o tempo assim o permita, por isso na sexta-feira há DJ Faria e no sábado NelAssassin de volta à casa. A entrada na esplanada mantém-se gratuita, sendo que o custo da entrada no clube é de 10€ consumíveis.

EGITANA