A História dos Sultões do Swing

A História dos Sultões do Swing

Redacção

Uma desajeitada banda jazz inspirou Mark Knopfler e os Dire Straits a gravarem uma das maiores canções de todos os tempos. Eis a história de “Sultans Of Swing”.

Mark Knopfler escreveu “Sultans of Swing” nos anos 70, muito antes dos Dire Straits lançarem a canção como o seu primeiro single numa major label, em 1978. Porque demorou tanto a ser gravada? Knopfler compôs o tema numa resonator e nunca ficou muito c0nvencido com o seu trabalho.

Até que, em ’77, comprou a sua primeira Stratocaster e experimentou tocar aquele endiabrado dedilhado que ainda hoje nos cativa, assim que ouvimos as primeiras notas. É Knopler que o diz, numa entrevista de 2008 com a Guitar World: «Ganhou vida quando a toquei naquela Strat de ’61, com novas progressões de acordes a surgir de forma espontânea e tudo a ir ao seu lugar».

A canção foi gravada originalmente logo nesse ano de ’77, ano de formação dos Dire Straits, parte de uma demo tape registada nos Pathway Studios. Quando a Phonogram assinou a banda, os Dire Strais foram para os Basing Street Studios gravar a versão que todos conhecemos.

É uma canção bem upbeat (149 bpm), com a tónica em Ré menor e com recurso a tetracordes da cadência andaluz (escala frígia). Os solos, com os tão idiossincráticos dedilhados de Knopfler são do outro mundo!

Mais terrena é a inspiração da canção. “Sultans Of Swing” retrata um episódio e uma banda jazz real que Knopfler viu num obscuro pub londrino. No final da actuação, o frontman anunciou que se chamavam os Sultans of Swing (Sultões do Swing), Knopfler achou o contraste entre a desajeitada actuação e a pompa do nome uma delícia.

O que é certo é que, de uma forma ou de outra, os Sultans of Swing gravaram a ouro o seu nome da história da música popular, mesmo que de forma inesperada. Em baixo podem recordar o original e ainda a versão do Live Aid, de 1985.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA