Documentário Sobre Marianne Faithfull Para Ver na RTP2

Documentário Sobre Marianne Faithfull Para Ver na RTP2

Redacção

ACTUALIZAÇÃO: Para quem não viu no dia 7 de Fevereiro pode aceder ao documentário, aqui, na RTP Play.

—–

Documentário sobre a vida de Marianne Faithfull contada através do olhar da actriz e realizadora francesa Sandrine Bonnaire.

Marianne Faithful, que há uns dias foi notícia na AS, é a figura central de um documentário que vai ser transmitido na RTP2 no próximo dia 7 de Fevereiro, pelas 1h45. O documentário chama-se “Marianne Faithfull: Flor de Alma” e conta a extraordinária vida de Marianne Faithfull através do olhar da actriz e realizadora francesa Sandrine Bonnaire.

Segundo a sinopse do documentário, «Marianne Faithfull viu de tudo: sucesso e celebridade aos 17 anos no Swinging London, uma vida com Mick Jagger através do tumultuoso épico dos Rolling Stones, escândalos, drogas, vício e declínio, vida na rua e renascimento, prémios e reconhecimento artístico». Sandrine Bonnaire passa assim em revista a incrível jornada da cantora e actriz britânica, as suas mil vidas, os seus encontros com grandes nomes do mundo artístico e a sua extraordinária vida.

Depois de se separar de Mick Jagger, Faithfull parou de gravar durante algum tempo, cedendo à toxicodependência. Mudou-se para Dublin nos anos 1970, obtendo algum sucesso com o álbum “Dreaming My Dreams”. Regressou em força corria o ano de 1979, com “Broken English”, álbum aclamado pela crítica, mas que não obteve grande sucesso comercial, o mesmo tendo acontecido com “Strange Weather” (1987), considerado por muitos críticos como um dos seus melhores trabalhos.

A carreira de Marianne Faithfull conheceria novo fôlego nos anos 1990, com a gravação de “Blazing Away” e com uma participação em 1997 no álbum “Reload”, dos Metallica, na canção “The Memory Remains” (e também no vídeo que acompanhou a canção). Faithfull continua a sua carreira de actriz e cantora, protagonizando também algumas aparições ocasionais em séries.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.