“É preciso que eu diminua” é novo single de Samuel Úria

“É preciso que eu diminua” é novo single de Samuel Úria

Inês Barrau

“É preciso que eu diminua” é um tema retirado do seu mais recente trabalho de originais – o aclamado “Carga de Ombro”.

Em jeito de celebração do Dia Internacional da Animação, Samuel, também ele com formação em artes visuais, dá a conhecer o resultado do convite efectuado ao realizador Pedro Serrazina para uma leitura criativa de umas das canções mais representativas do universo sonoro de “Carga de Ombro”.

O resultado não poderia ser mais surpreendente: o realizador interpreta o surrealismo poético de Samuel, elevando e explorando novos caminhos para o tema que, para além de viagem interior, inaugura uma nova sonoridade do cantautor (ou como alguém referia «como se Manu Chao tivesse parado em Tondela para tomar uma bica”)». “É preciso que eu diminua” é assim um filme de animação de forte impacto visual e de uma delicadeza emocional rara.

A colaboração com Pedro Serrazina era algo que Samuel desejava há muito, tal a impressão que tinha da obra do realizador, nomeadamente do seu filme de estreia “Estória do Gato e da Lua”. Do currículo do realizador destacam-se o já referido e premiado “Estória do Gato e da Lua”, “Gatofone”, “Canção distante” ou “Os olhos do farol” bem como o seu percurso académico efectuado entre Portugal e Inglaterra com formação no Royal College of Arts, em Londres.

“É preciso que eu diminua” é o segundo single retirado de “Carga de Ombro” e sucede a “Dou-me Corda”.