Editora Indie Peermusic Licencia Para Plataformas De Streaming Na China

Editora Indie Peermusic Licencia Para Plataformas De Streaming Na China

Redacção

A editora independente Peermusic, com sede em Nova Iorque, estabeleceu uma parceria com a Tencent Music, incluindo acordos de licenciamento para os serviços de streaming mande in China QQ Music, Kugou Music e Kuwo Music, bem como para a aplicação WeSing karaoke.

A Peermusic – editora independente global – e a Tencent Music – empresa que desenvolve serviços de streaming de música para o mercado chinês – revelaram formalmente a parceria, afirmando que o acordo de licenciamento digital exclusivo levará o extenso catálogo da Peermusic, incluindo faixas de artistas como Buddy Holly, The Rolling Stones, Beyoncé, BTS ou Justin Bieber aos mais de 42 milhões de assinantes pagos da Tencent Music (e muitos utilizadores adicionais apoiados por anúncios).

A Peermusic – com 35 escritórios em 30 países – observou que tem visto «um crescimento rápido» desde o estabelecimento da sua presença na China continental em 2015. Além disso, Spencer Lee, presidente da Peermusic na Ásia-Pacífico, observou numa declaração que a nação de aproximadamente 1,4 mil milhões de residentes desempenhará um papel integral na estratégia de crescimento internacional da empresa, avançando: «Este negócio é uma enorme vitória para os nossos clientes, e o mercado chinês permanece uma grande parte dos planos da Peermusic para o investimento e crescimento no futuro».

A empresa de 92 anos de idade, que Ralph Peer II opera, tem mantido silenciosamente um catálogo de mais de 500 mil canções. Aquisições importantes reforçaram o total e a Peermusic (anteriormente Southern Music) afirma no seu website ser a maior editora indie do mundo. “You Are My Sunshine” e “Georgia On My Mind” de Ray Charles representam apenas algumas das obras mais conhecidas da extensa biblioteca.

A Tencent Music, por seu turno, continuou a acumular negócios dignos de nota em 2020, apesar do escrutínio regulatório reforçado das empresas sediadas na China que são negociadas na bolsa de valores. (Separadamente, Taiwan passou a bloquear todos os serviços de streaming chineses, entre os quais plataformas Tencent Music, no meio de tensões regionais crescentes). Junho viu o negócio baseado em Shenzhen adquirir mais de 5% das acções do Warner Music Group num negócio de aproximadamente 100 milhões de dólares. E, pouco tempo depois, o estúdio de filmes de animação japonês CoMix Wave Films (CWF) e a Tencent Music finalizaram uma importante parceria para a produção de bandas sonoras para o mercado ‘anime’.

EGITANA