Estudo Pretende Identificar Quem São os Profissionais da Cultura em Portugal

Estudo Pretende Identificar Quem São os Profissionais da Cultura em Portugal

Redacção

Uma equipa de investigação do Centro de Administração e Políticas Públicas lançou um inquérito nacional, independente, para fazer o mapeamento territorial dos profissionais de todo o sector da Cultura em Portugal.

O objectivo do estudo é saber «quem são, quantos são e onde estão os profissionais da Cultura em Portugal, quer ao nível individual, quer ao nível colectivo, procurando identificar pela primeira vez os corredores territoriais da Cultura em Portugal», afirmou o coordenador do projecto, o investigador Paulo Castro Seixas, em declarações à agência Lusa.

O inquérito nacional está disponível online, para individuais e entidades, e foi preparado pelo Centro de Administração e Políticas Públicas do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) da Universidade de Lisboa.

A investigação foi estruturada «com a ajuda preciosa dos profissionais da Cultura. Desde Março de 2020 que começámos a fazer este trabalho, primeiro com a Acção Cooperativista e depois com profissionais individuais, com a Sociedade Portuguesa de Autores e a Plataforma Convergência pela Cultura», explicou ainda o investigador, segundo o qual os primeiros resultados, ainda preliminares, serão conhecidos dentro de três meses. Já o questionário deverá estar acessível durante os próximos seis meses, «para ter uma amostra muito significativa».

Este é um segundo inquérito nacional que estará em curso para mapear o panorama do sector cultural em Portugal, e que se junta ao estudo que o Governo encomendou ao Observatório Português das Actividades Culturais, do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Referir ainda que este inquérito, já prometido pelo menos desde o ano passado, poderá ser um instrumento valioso para a aplicação de um estatuto laboral específico, há muito reivindicado pelos trabalhadores das Artes, Cultura e Espectáculos em condições de precariedade e intermitência.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA