Gibson na Summer NAMM 2018

Gibson na Summer NAMM 2018

Nero

Henry Juskiewicz, CEO da Gibson, fala num esforço de simplificação dos novos modelos e garante que a qualidade de construção não foi afectada pela crise económica da marca.

A Gibson tem estado sob fogo, após uma década desastrosa a vários níveis acabou mesmo por declarar insolvência e pediu abrigo à lei Chapter 11. Procurando reerguer-se, a histórica marca irá estar presente na Summer NAMM deste ano, que decorre entre 28 e 30 de Junho.

Numa entrevista à revista Guitarist, Henry Juskiewicz, que manteve o lugar de CEO da marca apesar da crise, antecipa os planos da Gibson para aquilo que espera ser um regresso triunfal.

De acordo com Juskiewicz, a crise financeira da marca não se reflecte no design dos novos instrumentos, afastando condicionalismos nos materiais e componentes: «Vamos apresentar alguns novos modelos (…), nos quais trabalhámos imenso nos últimos oito meses e que, portanto, não sofreram quaisquer impactos derivados da nossa situação financeira. Tivemos uma mexcelente reacção da parte dos consumidores que tiveram acesso aos produtos de teste, muitos dos distribuidores também já viram os novos modelos e têm-nos elogiado bastante».

O CEO avança que a chave do sucesso poderá estar na simplicidade: «Não há mudanças radicais, mas esforçámo-nos por simplificar os produtos. Sentimos que no passado surgiram demasiados novos modelos e nomes, o que se tornou confuso para o consumidor, e simplificámos isso, simplificá-mo-lo seriamente e voltámos às anteriores designações históricas. Portanto, as mudanças são mais subtis que radicais».

Não havendo indicação de mudanças significativas, pode-se esperar que os novos modelos se mantenham relativamente próximos das especificações do line-up de 2018, que continha dois modelos com a afinação mecanizada G-Force. Estes deverão desaparecer, afinal a empresa por detrás do sistema G-Force, a Tronical, encontra-se numa disputa judicial com a Gibson.

A grande questão reside na qualidade de construção dos instrumentos e nos preços que irão atingir, no fundo, os aspectos que têm sido alvo de maiores queixas por parte da comunidade de guitarristas ao longo destes últimos anos.