Gibson Nega Processo à Satellite Guitars, Mas Vai Lutar Tribunal pela Patente em Causa

Gibson Nega Processo à Satellite Guitars, Mas Vai Lutar Tribunal pela Patente em Causa

Nero

A Gibson reagiu em comunicado oficial às declarações da Satellite Amplifiers que, pela voz do seu dono, Adam Grimm, alega que foi alvo de processo legal. Em causa está o design dos relativamente obscuros modelos Epiphone Coronet.

Em resposta às recentes alegações da Satellite Amplifiers, que acusa a Gibson de lhe mover um processo legal, a gigante marca de instrumentos lançou um comunicado oficial. A resposta da Gibson refere a necessidade que a marca tem de se auto preservar perante este tipo de tácticas.

Afirma que não moveu qualquer processo contra a Satellite, mas que, de facto, colocou uma acção em tribunal para reclamar a propriedade do design das guitarras Epiphone Coronet.

Eis o comunicado na íntegra (em tradução):

«A Gibson tem uma longa história com os seus reconhecidos instrumentos clássicos. Um desses instrumentos é a Epiphone Coronet. A Epiphone Coronet foi originalmente apresentada nos anos 50, o que claramente estabeleceu o primeiro uso da patente. Mais recentemente, a Gibson tem continuamente construído e fornecido a Epiphone Coronet a um definido número de artistas, desde 2008. Isto estabelece direitos (de patente) históricos e uso continuado (desde 2008).

Como resultado de criar, lançar, investir e possui a patente para a Epiphone Coronet, a Gibson simplesmente requisitou confirmar a sua propriedade da patente, com uma base de “uso original”. Os comentários recentemente publicados pelo proprietário da Satellite (Adam Grimm) confirmam que eles (Satellite) se apropriaram conscientemente do nome e conceito à Epiphone. As marcas têm o direito de se defenderem contra este tipo de práticas ostensivamente deturpadoras, daí as acções da Gibson.

A Gibson não moveu qualquer processo. A Gibson, compreensivelmente, requisitou a confirmação de propriedade da patente e pediu a revogação da sua marca (Satellite) da USPTO [Instituto de Patentes dos Estados Unidos], uma vez que a Gibson é, sem margem para dúvidas, o proprietário original, tem claramente primeiro uso e consequentemente direitos exclusivos de patente. O comentário publicado pelo dono da Satellite refere ainda uma carta onde ofereciam à Gibson a oportunidade de “comprar de volta” uma patente que já é propriedade da Gibson como “um gesto de boa-fé”. Isto é, no mínimo, confuso, mas diz mais das reais intenções da Satellite em lucrar no mercado com a patente e sucesso de outra marca. A Gibson deve proteger-se desta e de outras tácticas similarmente oportunistas, apesar do potencial ruído que possa ser criado.

No último ano e meio, a Gibson focou-se significativamente em todas as suas marcas e permanece orgulhosa do progresso que foi feito. A Epiphone foi completamente actualizada com o recente lançamento das colecções Epiphone Originals e Epiphone ‘Inspired by Gibson’. Com base na elevada procura de guitarristas e lojas, a Epiphone Coronet tem sido, e continuará a ser, uma guitarra essencial na Epiphone Originals Collection.

A Gibson também tem promovido um espírito positivo na indústria, ao ter devolvido (gratuitamente) a Oberheim Synthesizer Brand ao seu fundador, Tom Oberheim, e certificando-se que a Slingerland Drum Brand encontrou um lar adequado na DW Drums. A indústria reconheceu estes, e outros gestos, como actos de verdadeira boa-fé».

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.