Os Novos Donos da Gibson

Os Novos Donos da Gibson

Nero

James ‘JC’ Curleigh, antigo presidente da Levi Strauss & Co é o novo manda-chuva da Gibson. Christian Schmitz irá liderar o departamento de produção.

Noticiámos recentemente as reformulações no corpo directivo da Gibson. Após a saída do CEO Henry Juszkiewicz, a Gibson já anunciou o próximo cabecilha da empresa – James ‘JC’ Curleigh, antigo presidente da Levi Strauss & Co. Outros novos cargos incluem Cesar Gueikian enquanto CMO (chief merchant officer); Kim Mattoon enquanto CFO (chief financial officer); e Christian Schmitz enquanto CPO (chief production officer), todos em vigor a partir do dia 1 de Novembro de 2018.

Um comunicado de imprensa publicado pela Gibson expressa que a nova equipa irá «focar-se colectivamente em definir as condições para o sucesso das marcas Gibson, para que continuem a criar instrumentos de alta-qualidade, desenvolver parcerias significativas e entregar crescimento económico em todo o núcleo de negócios de guitarras e mais além». No fundo, procurar abrir horizontes para o futuro da empresa, cuja bancarrota aconteceu em grande parte devido à entrada mal-sucedida no mercado de produtos electrónicos.

«Enquanto músico, sempre estimei as minhas guitarras Gibson e tenho o mais profundo respeito pela icónica marca Gibson e com todos aqueles que escolhem tocar guitarras Gibson», afirmou Curleigh. «A Gibson tem sido uma pioneira no artesanato e na inovação em instrumentos musicais e tem sido um sinónimo com a modelação de sons entre gerações e género por mais de 100 anos. Estou muito honrado por possuir um papel principal nesta marca icónica. Este é o início de uma nova era para a Gibson que se irá construir sobre o seu legado e status icónico. Estamos focados no futuro e preparados com um novo começa, com uma forte fundação económica, uma nova equipa de liderança dedicada e experiente e com novos proprietários que são igualmente dedicados».

Outro apontamento relevante para guitarristas é a adição de Christian Schmitz, que ficará encarregue de garantir as melhores práticas de produção, “sinergia entre as cadeias de fornecimento” e excelência operacional entre a plataforma de produção Americana e mundial da Gibson. Uma aposta que tem com objectivo atingir uma maior consistência na produção de guitarras.

Nas duas últimas décadas, os guitarristas têm elevado as criticas à qualidade de construção da Gibson. A aposta em Schmitz tem como objectivo atingir uma maior consistência na produção de guitarras. «Após trabalhar com a equipa da Gibson no último ano, estou confiante de que vamos conseguir continuar a desenvolver o nosso foco em produção, para que se torne uma vantagem competitiva para a Gibson», afirma Schmitz.

A Gibson renasce da protecção de bancarrota no próximo dia 1 de Novembro de 2019. Nesse dia, o principal proprietário será a empresa de investimentos KKR. O ano passado, a marca não esteve na NAMM, portanto cresce a expectativa em relação ao novo line-up de guitarras.