Ian Anderson dos Jethro Tull tem uma Doença Pulmonar Incurável

Ian Anderson dos Jethro Tull tem uma Doença Pulmonar Incurável

Redacção

Ian Anderson, o emblemático frontman dos Jethro Tull, confessou sofrer de uma doença pulmonar crónica e diz, sem rodeios, ter «os dias contados».

Ian Anderson revelou sofrer de DPOC (Doença Pulmonar Obstructiva Crónica), patologia que lhe foi diagnosticada há um par de anos atrás. O carismático líder dos Jethro Tull fez a confissão no programa televisivo “The Big Interview”, da AXS TV. A entrevista vai para o ar amanhã, dia 13 de Maio. Foi no entanto publicado um excerto da mesma, na qual Anderson refere a sua condição de saúde e admite: «Tenho aquilo que se chamam agudizações – períodos em que uma infecção evolui para bronquite grave e posso passar por duas ou três semanas em que é muito duro subir a palco e actuar».

Anderson oscila entre o optimismo e o pessimismo: «Fazendo figas, já passaram 18 meses sem qualquer agudização e prossigo a medicação. Se me mantiver num ambiente razoavelmente livre de poluição, no que respeita à qualidade do ar, passo bem. Todavia, os meus dias estão contados. Ainda não chegou ao ponto em que isto interfere na minha vida diária – ainda consigo correr para apanhar o autocarro».

O flautista do rock ‘n’ roll afirma, resoluto, a sua intenção de continuar a combater a doença e de como o fazer: «Lutar até ao fim – continuar a usar tanta poder pulmonar quanto se consiga reunir e levá-lo ao limite em todos os momentos. No momento em que me acomodar e pensar ‘Já não consigo continuar’ é perigoso como uma ladeira. A resposta é continuar a forçar».

A DPOC é uma que evolui para a diminuição da capacidade da captação de oxigénio nos pulmões. Anderson é peremptório a apontar a culpa: «Passei 50 anos da minha vida em palco, rodeado por essas coisas infernais que dão pelo nome de máquinas de fumo». Em baixo podem ver o excerto da entrevista e também o impressionante pulmão de Ian Anderson na era dourada dos Jethro Tull.

NOTA: No dia 14 de Maio Ian Anderson teceu considerações onde reafirmou a sua condição, mas garantiu que aquilo que queria dizer era que «tinha os dias contados, como cantor», lembrando que a sua condição de saúde está estabilizada.