Lagum regressam a Portugal em Outubro de 2021

Lagum regressam a Portugal em Outubro de 2021

Redacção

Os brasileiros Lagum divulgaram o seu mais recente single, “Musa do Inverno”, e regressam a Portugal para concertos em Lisboa e Porto em Outubro de 2021.

“Musa do Inverno” resgata «a estética sonora dos anos 2000, aliada aos elementos que são características da banda mineira, como a performance enérgica e o bom humor, para além de trazer um instrumental vivo com cordas e uma bateria bem marcada.» Inspirado em desenhos de resolver mistérios, o vídeo da faixa conta com a participação especial de Felipe Dylon, outro símbolo dos anos 2000 e responsável pelo êxito “Musa do Verão”. «A música brinca com o clichê dos amores de verão, então a gente fala sobre uma menina que não se dá bem na praia e que fica vermelha no sol», comenta o vocalista Pedro Calais, elemento dos LAGUM juntamente com Jorge (guitarra), Otávio Cardoso (guitarra) e Chicão Jardim (baixo).

Já a intenção de reviver os anos 2000 é algo que os LAGUM um têm vindo a fazer desde o lançamento do single “Hoje Eu Quero Me Perder” (Março de 2020). «A gente acredita muito nos ciclos, assim como a moda resgata décadas passadas”, pensa Jorge. “Nos anos 2000, éramos crianças, então estamos trazendo de volta um período do qual temos uma memória afetiva muito forte, seja visualmente ou musicalmente. O nosso público vai fazer essa viagem junto com a gente e perceber essa relação», complementa. Numa altura em que a grande maioria dos nomes do mercado pop estão em projetos a solo, os LAGUM resgatam o espírito de bandas seguindo referências como Charlie Brown Jr e Raimundos, outros ícones daquela época.

Depois de terem esgotados duas salas (Lisboa e Porto) aquando da sua estreia em Portugal em 2019, os LAGUM regressam ao nosso país daqui a uns meses para dois concertos reagendados para 15 e 16 de Outubro, no CASINO ESTORIL e HARD CLUB (Porto), respetivamente. Os bilhetes já adquiridos mantêm-se válidos para as novas datas, sem ser necessária qualquer troca.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA