Mike Gaspar Sai dos Moonspell

Mike Gaspar Sai dos Moonspell

Redacção
Rui Vasco

Os Moonspell anunciaram que Mike Gaspar, o baterista que gravou toda a sua discografia até aqui, saiu da banda. O novo álbum, previsto para o Outono de 2020 já conta com novo elemento.

A surpreendente notícia, dada pelos próprios Moonspell, não avança os motivos que levaram à saída do baterista que gravou a discografia inteira dos portugueses, desde o EP “Under The Moonspell” ao álbum de 2017, “1755”. Os Moonspell estão a trabalhar num sucessor para esse disco, sob a direcção de Jaime Arellano e previsto para o Outono de 2020, e o novo baterista, Hugo Ribeiro, já estará envolvido nas gravações.

A noite passada, em hora tardia, a titânica banda portuguesa de metal deixou o seguinte comunicado: «Os MOONSPELL vêm por este meio comunicar a saída do baterista Mike Gaspar. Os motivos desta saída permanecerão entre as partes envolvidas e pedimos que essa privacidade seja respeitada. Os MOONSPELL iniciam assim um novo ciclo e encontram-se já a trabalhar com o baterista Hugo Ribeiro (sem parentesco com o nosso vocalista), tendo um novo álbum a ser gravado com Jaime Gomez Arellano (Paradise Lost, Ulver, Ghost), entre Setembro e Outubro deste ano. O título provisório é H e será lançado pela Napalm Records, com distribuição Alma Mater Records em Portugal, no primeiro semestre de 2021. O Mike continuará a sua atividade como baterista e divulgará os seus projetos quando for oportuno».

Hugo Ribeiro, o novo baterista, vem de outra banda portuguesa, os Kandia. Também ele deixou um comunicado nas suas redes sociais: «É com um ENORME peso no coração que me despeço dos meus bros(and sis) de Kandia pela razão que irei enveredar outras aventuras musicais. Foram 6 anos excelentes em que estou extremamente grato pela experiência que tive com a banda. Eu era fã antes de ingressar na banda, fui fã enquanto membro da banda, e serei sempre fã da banda. Desejo-lhes o melhor e muito sucesso para o futuro!»

Já Mike Gaspar ainda não se pronunciou. O baterista nascido nos Estados Unidos, e desde cedo a viver no nosso país, começou o seu percurso musical muito, muito jovem, nos Decayed (outros históricos do metal nacional). Pouco depois integrou a primeira encarnação dos Moonspell, os Morbid God, e manteve-se na banda desde aí. Era um dos membros fundadores do grupo, portanto. Nesse sentido, o comunicado não deixa de ser algo cáustico e estranho no timming, a poucas horas dos Moonspell subirem ao palco para actuarem, a convite da RTP/Antena 3, nas gravações da segunda temporada do programa Eléctrico. Os Moonspell estarão no concerto em conjunto com os Mão Morta, no Cineteatro Capitólio, em Lisboa.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA