Mike Portnoy é o Baterista do Novo Álbum de John Petrucci

Mike Portnoy é o Baterista do Novo Álbum de John Petrucci

Nero

15 anos depois de “Suspended Animation”, John Petrucci vai editar o seu segundo álbum a solo. “Terminal Velocity” estreia no Outono de 2020 e o baterista é Mike Portnoy.

Foi na sua conta oficial no Instagram que o guitarrista dos Dream Theater deu a boa nova aos fãs. “Terminal Velocity” será o seu segundo álbum a solo, depois de “Suspended Animation”, editado em 2005. A data exacta não foi anunciada, mas nas hashtags da publicação pode ler-se #autumn2020. Abrindo a conta do shredder conseguem ver a capa do álbum. O guitarrista renovou também o seu website oficial. Foi esta notícia que passámos há duas semanas.

Já durante o dia de ontem, Petrucci revelou a capa, tracklist e músicos que gravaram consigo o disco. O baixista foi Dave LaRue e o baterista Mike Portnoy, colega de LaRue nos Flying Colors! O baterista fundador dos Dream Theater, que saiu da banda em 2010 e que muitos fãs nunca esqueceram, tornou a tocar com John Petrucci. Não serão apenas os fãs a não esquecerem Portnoy, o baterista também reavivou velhos assuntos durante o passado, em dois momentos. Primeiro deu uma bicada em James LaBrie e mais tarde abordou pela enésima vez a sua saída de uma das maiores bandas do universo prog.

Com os Dream Theater, John Petrucci editou “Distance Over Time”, o álbum mais recente, em Fevereiro de 2019. A digressão de promoção encerrou em Portugal, com o concerto no Campo Pequeno, em Fevereiro passado, a ser um dos últimos que vimos antes desta desgraçada pandemia virar 2020 do avesso e onde Petrucci se mostrou numa forma exuberante. Em Janeiro passado, as guitarras de assinatura do músico com a Music Man foram actualizadas na NAMM.

Mangini está de pedra e cal nos Dream Theater. Mas este reencontro de Petrucci e Portnoy pode indiciar um novo álbum de Liquid Tension Experiment. Para já ficamos a aguardar “Terminal Velocity”, cuja tracklist será: Terminal Velocity, The Oddfather, Happy Song, Gemini, Out Of The Blue, Glassy-eyed Zombies, The Way Things Fall, Snake In My Boot e Temple Of Circadia.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.