RIP Bryan St. Pere [Hum]

RIP Bryan St. Pere [Hum]

Redacção

Morreu Bryan St. Pere, o baterista da clássica banda shoegaze e alt-rock Hum que é uma das maiores influências dos Deftones. Tinha 52 anos de idade.

Foram os Hum a comunicar a triste notícia nas suas redes sociais, escrevendo: «É com o coração muito pesado e os olhos cheios de lágrimas que partilhamos a notícia de que o nosso amado amigo e companheiro de banda, Bryan St. Pere, faleceu. Estamos devastados e profundamente entristecidos com a sua súbita, e inesperada morte. Bryan era um amigo querido, um pai amoroso, irmão, e era uma pessoa, tal como músico, incrível. Todos nos sentimos extremamente afortunados por termos convivido com ele. Paz e amor a todos os que conheceram o Bryan e aos que ele conseguiu tocar. Sentiremos muito a sua falta».

Bryan St, Pere cedo se apaixonou pelo instrumento, inspirado pelo icónico Neil Peart. Juntou-se aos Hum em 1990 e a banda lançou os seus dois primeiros álbuns – “Fillet Show” de 1991 e “Electra 2000” de 1993 – através da editora independente 12 Inch Records, antes de assinar com a RCA. A sua grande estreia pela editora, a “You’d Prefer an Astronaut” de 1995, deu origem ao sucesso “Stars”, que catapultou a banda para o reconhecimento nas rádios norte-americanas e atingiu o No. 11 no Hot Modern Rock Tracks da Billboard (agora conhecido como Billboard’s Alternative Songs chart) e o No. 28 no Hot Mainstream Rock Tracks.

Em 1998, os Hum lançaram o álbum “Downward Is Heavenward”, mas o shoegaze perdeu impulso e os resultados comerciais da banda caíram a pique, ditando a separação da banda. Além de uns concertos muito esporádicos, a banda manteve-se inactiva durante quase duas décadas até que, no ano passado, surpreendeu a sua base de fãs com o álbum de reunião “Inlet”, que facilmente nos recorda os pressupostos musicais que são apontados como influências de bandas como Deftones, Nothing, Alcest ou Deafheaven, entre outros.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA