Novo Álbum ao Vivo de Johnny Cash da Era Folsom Prison

Novo Álbum ao Vivo de Johnny Cash da Era Folsom Prison

Redacção

O álbum ao vivo inédito de Johnny Cash, “Bear’s Sonic Journals: Johnny Cash, At The Carousel Ballroom April 24, 1968”, chega no dia 24 de Setembro, e como antevisão, pode ouvir-se a versão  de “I’m Going to Memphis”.

O título do álbum é auto-escritivo: foi gravado por Owsley “Bear” Stanley em Abril de 1968, no The Carousel Ballroom. Conhecedores de Johnny Cash reconhecerão a data por ser apenas duas semanas antes do lançamento do álbum histórico ao vivo “At Folsom Prison”, quando a lenda country se encontrava no auge dos seus poderes.

Mas “The Carousel Ballroom” tem o seu próprio lugar na história da música, tanto como um marco da era contracultura de Cash como por ter sido gravado no local original do que viria a ser o Fillmore West. Na altura do concerto de Cash, o Carousel Ballroom funcionava como uma espécie de cooperativa musical dirigida por The Jefferson Airplane, Grateful Dead, entre outros.

“At The Carousel Ballroom April 24, 1968” estará disponível em dois CDs ou LPs, bem como na maioria das plataformas digitais. As edições físicas estão acompanhadas de novos textos de John Carter Cash – filho de Johnny e June Carter Cash – bem como do filho de Owsley Stanley, Starfinder Stanley, Bob Weir dos Grateful Dead e Dave Schools (Widespread Panic). Os compradores receberão também nova arte de Susan Archie e uma reprodução do cartaz original do concerto Carousel Ballroom de Steve Catron.

O estilo de gravação de Stanley para este projecto é descrito como “verité”, que se refere a realismo ou naturalismo. Se nos basearmos em “I’m Going to Memphis”, isto significa bem misturado mas não excessivamente limpo, com doses saudáveis de som do público que não ofusca o som da banda. «Quando se ouve isto, sente-se que se está no palco com a banda», disse Stanley. John Carter Cash descreveu o concerto como o que acredita «ser um dos espectáculos mais íntimos e coesos que alguma vez ouvi».

 Os pre-orders já abriram. Dispara “I’m Going to Memphis”, cujo player apresenta ainda a capa da edição.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA