Novo Disco de Gilby Clarke [ex-Guns N’ Roses] Chega em Abril

Novo Disco de Gilby Clarke [ex-Guns N’ Roses] Chega em Abril

Redacção

O antigo guitarrista dos Guns N’ Roses está prestes a editar o seu primeiro álbum em 15 anos. “The Gospel Truth”, de Gilby Clarke, chega a 23 de Abril através da Golden Robot Records.

O novo disco de Gilby Clarke foi escrito e produzido pelo próprio no seu estúdio de Los Angeles – Redrum Recording -, onde também já produziu discos para bandas como os L.A. Guns, The Bronx ou Beat Angels. O álbum foi misturado pelo vencedor de um Grammy Chris Lord-Alge (também famoso pelos seus plugins de assinatura da Waves) e masterizado por Maor Appelbaum.

Para a gravação de “The Gospel Truth”, a Gilby juntaram-se Muddy Stardust no baixo, Kenny Aronoff na bateria e Matt Starr e Chad Stewart nos coros. Depois de “Rock N Roll Is Getting Louder”, o mais recente single de “The Gospel Truth” é uma canção chamada “Tightwad” e apresenta Nikki Sixx (Mötley Crüe) no baixo e Stephen Perkins (Jane’s Addiction) na bateria.

«Esta canção foi escrita à volta de um riff de guitarra que descobri enquanto experimentava um novo pedal de guitarra. Tentei fazer passar a minha mensagem com humor, mas por vezes a verdade dói. Talvez devêssemos todos olhar mais de perto para nós próprios e fazer melhorias», disse Clarke sobre o tema, acrescentando: «Tive a sorte de ter alguns amigos músicos maravilhosos a contribuir para a gravação desta faixa, como Nikki Sixx e Stephen Perkins. Stephen, como sempre, chegou com um beat que impulsiona a canção e Nikki encontrou um groove de baixo fixe que acentua a sensação que eu procurava».

Quando questionado sobre como a sua nova música pode ser diferente do seu material anterior, Gilby afirmou: «Não acho que seja muito diferente de todo. Não estou a tentar reinventar a roda. Encontrei a música que me agrada como artista e músico. É importante que melhorar e tentar coisas novas, mas gosto de rock and roll e guitarras barulhentas são boas para a alma». Clarke também abordou o seu processo de composição de canções.

«Começo sempre com um bom riff de guitarra, depois acrescento uma batida do diabo. Também é bom quando se pode colocar uma letra interessante. Tento sempre encontrar uma nova forma de dizer algo simples. Não gosto de complicar as minhas letras, mas também nunca as duplico».

Por alturas da NAMM de 2019, em Anaheim, Califórnia, Clarke explicou a razão por detrás do longo atraso na conclusão do seu novo álbum, o primeiro em 15 anos: «Não posso fazer um disco a menos que me sinta bem com as canções. Quero fazer um disco que quero ouvir. Por isso, estas canções entusiasmam-me imenso».

Recorde-se que Gilby Clarke substituiu o guitarrista fundador Izzy Stradlin na formação dos Guns em 1991, durante a digressão “Use Your Illusion”, permanecendo com a banda durante três anos. Depois de sair dos GN’R, continuou como produtor e artista solo, tocando também com os Slash’Snakepit ou os Heart. Em Janeiro deste ano, o guitarrista esclareceu porque é que não participou na digressão (“Not In This Lifetime”) que voltou, recentemente, a juntar a banda.

A estreia de Clarke a solo foi em 1994, com “Pawnshop Guitars”, seguindo-se “Blooze” (1995), “The Hangover” (1997), “Rubber” (1998), “99 Live” (1999), “Swag” (2002) e “Gilby Clarke” (2007).

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

 

EGITANA