Os 10 Álbuns de Metal Favoritos de Bill Ward [Black Sabbath]

Os 10 Álbuns de Metal Favoritos de Bill Ward [Black Sabbath]

Redacção

Bill Ward, o baterista original dos Black Sabbath, elege os 10 melhores álbuns de metal de sempre. Há alguns clássicos óbvios e escolhas surpreendentes.

Os Black Sabbath, quando ‘rebentaram’ no início dos anos 1970, anunciaram a chegada do heavy metal. Mas que álbuns do género, que nasceram entretanto, significam mais para o baterista Bill Ward, um dos fundadores da banda? O músico respondeu à pergunta da Far Out Magazine, elegendo 10 discos obrigatórios na colecção de qualquer ‘metalhead’.

Pioneiros em todos os sentidos, em 1968, os Black Sabbath eram diferentes de tudo o que os precedia e rapidamente se tornaram autênticos heróis para toda uma geração de jovens que viriam a dar o máximo para replicar aquele som poderoso.

E Bill Ward, actualmente com 72 anos, elege o terceiro trabalho dos Sabbath, “Master Of Reality”, como o melhor disco de sempre do género. «Gosto de cada um dos álbuns dos Sabbath em que trabalhei, mas acontece que gosto mais de “Master Of Reality”. A banda já era, nessa altura, uma banda em digressão. Não saíamos da estrada há vários anos e há uma certa maturidade nisso. Não estou a dizer que os outros dois – “Black Sabbath” e “Paranoid” – não tinham maturidade. Na verdade, penso que tinham. Mas há algo neste que é diferente. Tem sido sempre um dos meus favoritos. Gosto mesmo, mesmo muito desse álbum».

Se esta é algo consensual, há outra escolha de Ward que pode criar cisma, o álbum dos Metallica de 1991, vulgarmente chamado de “Black Album”. «Adoro esse disco porque penso que foi o início de algo. Tinha conhecido os Metallica e já tinha ouvido antes, mas quando ouvi o “Black Album” tive uma reacção igual à que tive com “Sgt. Pepper…” [Beatles] que, quando ouvi pela primeira vez, sentei-me, juntamente com muitas outras pessoas, e escutei-o vezes sem conta. Fiz a mesma coisa com o “Black Album”.

O disco dos Motörhead de 2010, “The Wörld Is Yours”, também consta da lista do baterista: «Lemmy tinha todos os instintos básicos sobre o que é o metal e não há dúvida sobre isso. Vi-os num bar em Worcester anos e anos atrás quando se estavam a estabelecer – penso que foi em 1981 ou 1982 – e não conseguia acreditar na energia. Era inacreditável. Sabia-se que eles iam estar em movimento, que eram uma grande banda, que iam fazer várias digressões pelo mundo».

Na lista há ainda espaço para Slipknot (“.5: The Gray Chapter”, de 2014), o que mostra que o gosto musical de Ward não está delimitado temporalmente. «Ia escolher o primeiro álbum [“Slipknot”, de 1999]. A razão pela qual escolhi este, principalmente, é por causa das letras de Corey [Taylor]. Há algumas letras realmente hardcore neste álbum. Não digo que não houvesse antes com Slipknot, eles sempre foram uma banda hardcore, ponto final».

Ponto final, parágrafo. Vamos então às escolhas de Bill Ward, algumas agradavelmente surpreendentes, que podem disparar para ouvir de enfiada na playlist em baixo: Black Sabbath – Master of Reality; Metallica – Metallica; Slipknot – 5: The Gray Chapter;  Judas Priest – The Best of Judas Priest: Living After Midnight; Motörhead – The Wörld Is Yours; Type O Negative – October Rust; Krisiun – Southern Storm; Fear Factory – Mechanize; DevilDriver – Beast; Dead Cross – Dead Cross.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA