Os Animais Errantes de Rui Reininho

Os Animais Errantes de Rui Reininho

Redacção
Mimi Sá Coutinho

“20.000 Éguas Submarinas” é o título do disco a ser editado em Junho e expõe Rui Reininho ao cume da sua essência. “Animais Errantes” é o primeiro single.

Rui Reininho tem tanto de «próprio como de não comum, seja entre os vivos, como entre as lembranças dos mortos que nos marcaram». Depois de “Companhia das Índias” (2008), chega em Junho o novo disco de Rui Reininho, “20.000 Éguas Submarinas”, com selo da Turbina.

Produzido por Paulo Borges, juntos congeminaram uma «viagem pelos confins dos mares já dantes navegados a passo, trote, galope, mariposa e voo, como escape de corais profundos mas não tão fundos quanto o exercício de libertação» que em breve será revelado.

“Animais Errantes” é o primeiro avanço desta «ode marítima» e conta com videoclipe realizado por Mimi Sá Coutinho, concebido no Espaço T – Associação para Apoio à Integração Social Comunitária, que luta pela inclusão dos mais vulneráveis, promovendo através da Arte o desenvolvimento das mais diversas competências.

Encenado por Filipa Duarte (formadora no Espaço T) e protagonizado pelos seus alunos de teatro e dança, no vídeo o espectador é convidado a «contemplar a aceitação da diferença, numa entrega de corpo e alma que esgrima qualquer preconceito».

Para além de Rui Reininho e Paulo Borges, o tema “Animais Errantes” conta ainda com a participação de Eduardo Lála no trombone, Moisés Fernandes no trompete e Daniel Salomé no saxofone.

«Ao vir à superfície, encontrei o Paulo Borges contido em anos de interpretações alheias e perguntei-lhe, como numa ilha solitária, o que queria criar. Saiu-nos um arquipélago provavelmente um dos Açores que já nos sobrevoava com os sons marítimos, o fracasso das ondas nos rochedos e o marulhar crustáceo dos músculos dos “Animais Errantes”, que respeitamos», refere Rui Reininho.

EGITANA