Pillow Queens, Dos Moshpits de Dublin Para o Mundo [Streaming]

Pillow Queens, Dos Moshpits de Dublin Para o Mundo [Streaming]

Redacção
Faolán Carey

Tremendo sucesso na Irlanda, “In Waiting” é o primeiro longa-duração das Pillow Queens. Este quarteto pós punk será, a curto prazo, uma banda aclamada universalmente.

As Pillow Queens são quatro raparigas de Dublin que se juntaram em 2016 para formar uma banda pop-punk depois de uma amizade solidificada por entre moshpits em concertos da cena hardcore irlandesa.

Entraram de fininho, editando dois EP – “Calm Girls” (2016) e “State Of The State” (2018). Mas eis que na recta final do ano passado, Pamela Connolly (voz, guitarra e baixo), Cathy McGuinness (guitarra e voz), Sarah Corcoran (voz, guitarra e baixo) e Rachel Lyons (bateria e voz) lançaram o primeiro longa-duração, “In Waiting”, um disco tão bombástico quanto gracioso e que as fez passar a andar em algumas bocas. Primeiro, no país natal, extravasando entretanto para o resto do planeta. São ainda quase famosas. Mas só mesmo quase…

As Pillow Queens rejeitam comparações com os compatriotas pós-punk Girl Band ou Fontaines D.C., dizem-se um produto do momento político da Irlanda, que não é o melhor, e têm vaidade no seu sotaque.

Em “In Waiting” – que podes reproduzir na íntegra no player mais abaixo – não falta nada. Há serenidade, há euforia, há ganchos, há hinos, há canções. São 10 faixas profundas e de estilo único e, embora partilhem o ADN com bandas indie punk como Diet Cig, Camp Cope e Charly Bliss, as Pillow Queens têm cartões de visita distintos: harmonias bem trabalhadas, coros triunfantes e estruturas elegantes.

Outra coisa que faz as Pillow Queens soarem diferente é o melodrama literário de Connolly, que colide maravilhosamente com o espírito DIY da banda. «Pensámos que as harmonias seriam um belo contraste com as guitarras duras, e especialmente no início, com o tocar desleixado», diz Pamela Connolly, que atira: «Estamos à espera há quatro anos. As pessoas ainda não sabem quem nós somos. Mas agora estamos prontas para explodir».

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA