Portugal #EntraEmCena, a nova plataforma digital de apoio à cultura

Portugal #EntraEmCena, a nova plataforma digital de apoio à cultura

Bernardo Pereira

Portugal #EntraEmCena é o mais recente movimento criado com o apoio do Ministério da Cultura, e consiste numa colaboração entre artistas, marcas e empresas públicas e privadas com o intuito de salvaguardar a cultura e todos aqueles que dela fazem parte, numa altura em que o sector também sofre com a pandemia.

O projecto passa por ser uma porta de entrada para todos os artistas que pretendem obter investimento pelas suas ideias, numa espécie de marketplace digital que permite financiar e apoiar a continuidade da arte. Portugal #EntraEmCena permite que os artistas proponham ideias e obtenham investimento na fase de concepção e desenvolvimento das mesmas, ao mesmo tempo que as empresas e marcas investem esperando receber em troca o talento e originalidade dos artistas, podendo lançar desafios para os artistas e investir nas ideias. Os artistas são diretamente remunerados pelas entidades e empresas que estão na plataforma e se interessem pelas suas ideias e propostas.

«Uma ideia simples, imediata, em que todos entram em cena hoje, para que a cultura tenha amanhã.» é assim que descreve a própria plataforma, num movimento que já conta com várias parcerias, entre elas Altice, BPI, Centro Cultural de Belém, EDP, Fundação Calouste Gulbenkian, Milennium BCP, NOS, MEO, Renova, Teatro Nacional de São João, entre outros… e que se integra no programa OutSystems Covid-19 Community Response, que promove a união e a procura de alternativas para contornar esta situação.

Graça Fonseca, Ministra da Cultura, falou acerca do objectivo do projecto, «de um reconhecimento colectivo da importância das artes na nossa vida, de uma vontade partilhada por muitos de criar futuro para a cultura. Muitas empresas, privadas e públicas, fundações e outras instituições juntaram-se e disseram “presente”. Juntaram-se a artistas e entraram em cena num movimento transformativo que tem um único
objectivo: garantir a identidade e sustentabilidade cultural do país – agora e sempre.»

O investimento total é de mais de um milhão de euros divididos pelos vários projectos, sendo que em cada projecto, no caso das estruturas, o investimento não pode exceder os 20 mil euros e para artistas individuais os 2.500 euros. Para já os projectos irão realizar se a partir de casa mas prevê-se que a continuidade seja feita numa fase pós-pandemia ou até mesmo em 2021, garantindo assim a sustentabilidade e identidade cultural do país.

Para inscrições e informação, clica aqui.