R.I.P. Dusty Hill, O Eterno Baixista de ZZ Top

R.I.P. Dusty Hill, O Eterno Baixista de ZZ Top

Redacção

Esta semana, está longe de acabar… Depois da triste notícia da morte de Mike Howe e Joey Jordison, chega-nos o comunicado que Dusty Hill, icónico baixista de ZZ Top, faleceu aos 72 anos de idade.

A notícia foi avançada pelos ZZ Top nas redes sociais. Dusty Hill tinha 72 anos e faleceu durante o sono, na sua casa em Houston, Texas. Pode-se ler no post, assinado por Frank e Billy: «Entristece-nos hoje a notícia de que o nosso Compadre, Dusty Hill, faleceu enquanto dormia em casa, em Houston, TX. Nós, tal como tantos e tantos fãs de ZZ Top no mundo inteiro, iremos sentir falta dessa tua sólida maneira de estar presente, da tua candura e desse inabalável compromisso em dar aqueles monumentais graves aos ‘Top’. Estaremos para sempre ligados a esse “Blues Shuffle em C.”. Vamos ter saudades tuas, amigo.»

Dono de uma das barbas mais famosas do mundo da música tocou ao lado de Billy Gibbons durante mais de 50 anos nos ZZ Top. O último registo da banda dta de 2012. “La Futura” foi antecedido pelo EP “Texicali”. Diante dessas sessões, gravadas com Rick Rubin e editadas pela American Recordings, colocávamos a questão: Três “gajos” valem por mil DJ’s? Os ZZ Top acreditam piamente que sim e fazem questão de mostrar argumentos de força nesse credo. O “estalo” de som dos temas está encerrada no super groove de Frank Beard, Dusty Hill e Billy Gibbons e, consequentemente, esse super groove é resultado duma fé inabalável num estilo de vida e sonoridade. Chamem-lhes conservadores, mas a verdade é que mais vale ter uma sonoridade a ressoar, que uma fusão vanguardista a destoar.

A carreira musical de Dusty resume-se (e não é, de todo, coisa pouca) aos ZZ Top, aos quais se juntou no ano seguinte à sua formação. Ou seja, depois de ter rodado o circuito blues texano, Gibbons e Frank Beard, irmão de Dusty, recrutaram o baixista para se tornarem um dos mais consagrados power trios na história da música.

Ao longo de 5 décadas com os Top, Dusty manteve-se fiel aos baixos Fender Precision, acabando mesmo por ganhar um modelo de assinatura, aqueles PB de cabeça invertida, no mesmo ano do último disco que gravou, em 2012. O músico também usou um modelo uber custom amiúde, principalmente nos anos mais recentes, o John Bolin “Peeler” Precision Bass. E, claro, todos se recordarão daquele espampanante modelo, também construído por John Bolin, com um clássico formato Gretsch Bo Diddley e o corpo, com câmaras de ressonância, equipado com um único pickup TV Jones (ponte) e revestido por lã de ovelha!

No vídeo ‘rig rundown’, em baixo, pode ver o seu rig de amplificação (com unidades rack Marshall Valvestate 8008 e JMP-1) e o simplíssimo setup de pedais.

EGITANA