R.I.P. Ed Ward [Rolling Stone]

R.I.P. Ed Ward [Rolling Stone]

Redacção

Morreu Ed Ward, antigo editor da revista Rolling Stone e um dos responsáveis pela criação do festival South by Southwest. Tinha 72 anos.

Ed Ward era um respeitado crítico musical, antigo editor da Rolling Stone e autor de inúmeras histórias do rock & roll. Segundo o colega escritor e amigo Joe Nick Patoski, Ed Ward faleceu na sua casa em Austin na segunda-feira, 3 de Maio, na sequência de vários problemas de saúde.

Nascido Edmund Ward a 2 de Novembro de 1948, Ward foi criado em Eastchester, Nova Iorque, e frequentou o Antioch College. Em 1967, conheceu Paul Williams, o fundador da Crawdaddy, num concerto de Tom Rush e Judy Collins em Nova Iorque, e pouco depois começou a escrever para a revista, que foi uma das primeiras a cobrir seriamente o rock & roll.

Ward cedo começou a escrever para a Rolling Stone, especializando-se, em parte, em música electrónica. Em 1970, por recomendação de Greil Marcus, Ward mudou-se para São Francisco para se tornar editor da secção de críticas/reviews da Rolling Stone, substituindo Marcus na função.

Saiu do cargo de editor da Rolling Stone no final desse ano e passou a ser editor na Creem durante grande parte dos anos 1970, não deixando, no entanto, de escrever para a Rolling Stone. Em 1979, após se ter mudado para Austin, Ward tornou-se crítico musical do Austin American-Statesman, um trabalho que manteve até 1984.

Descrito pelos amigos como bom coração, mas duro como crítico, Ward fez imediatamente alguns inimigos quando se atreveu a criticar uma banda local, resultando num movimento “Dump Ed Ward”, com a cidade cheia de autocolantes nos pára-choques dos carros. «Ed era uma força da natureza e, como crítico, tinha dentes afiados», diz Joe Nick Patoski à Rolling Stone.

Em 1987, Ward também esteve envolvido no lançamento do South by Southwest, a conferência musical de Austin que se tornaria uma das mais importantes reuniões anuais para músicos, imprensa e indústria. Nesse mesmo ano, Ward deixou o Austin American-Statesman e passou para o The Austin Chronicle.

A partir de meados dos anos 1980, Ward deu o salto para os livros. Em 1983, publicou “Michael Bloomfield: The Rise and Fall of an American Guitar Hero” e em 1986 foi o co-autor (com Ken Tucker e Geoffrey Stokes) de “Rock of Ages: The Rolling Stone History of Rock & Roll”. Em 2016, publicou o seu próprio estudo narrativo sobre a música, “The History of Rock & Roll, Volume 1”.

O segundo volume chegou em 2019. Num terceiro volume planeado, mas incompleto, esperava falar sobre punk, disco, MTV, rap, grunge e outros géneros, disse Ward. Em 1994, Ward mudou-se para Berlim para trabalhar numa revista que nunca chegou a arrancar, mas ficou e concentrou-se na escrita sobre arte e comida. Mudou-se para Montpellier, França, em 2008, antes de regressar a Austin em 2013.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA