R.I.P. Elliot Mazer

R.I.P. Elliot Mazer

Redacção

Morreu Elliot Mazer, lendário produtor de Neil Young, Bob Dylan, Janis Joplin, Dead Kennedys e The Band. Tinha 79 anos.

Foi o homem por detrás de álbuns como “Harvest” ou “Times Fade Away”, de Neil Young. Elliot Mazer, o lendário engenheiro e produtor que trabalhou em álbuns icónicos de Young, Bob Dylan, Janis Joplin, The Band, Linda Ronstadt e muitos outros, morreu com 79 anos.

A filha de Mazer, Alison, confirmou que o pai faleceu na sua casa em São Francisco, explicando ainda que a causa da morte do produtor, que também sofria de demência, foi um ataque cardíaco.

«Elliot adorava música», afirmou a sua irmã, Bonnie Murray em declarações à Rolling Stone. «Ele amava o que fazia; era um perfeccionista. Todos têm tanto respeito por ele. Já sofria há alguns anos».

Mazer é mais conhecido por produzir múltiplos álbuns de Neil Young, começando logo com a obra-prima “Harvest”, de 1972, seguindo-se o LP ao vivo de 1973 “Time Fades Away”, o álbum perdido de 1975 “Homegrown” – que Young finalmente lançou no ano passado – assim como “Everybody’s Rockin’” de 1983 e “Old Ways” de 1985. Foi também ele o responsável pela introdução de Young no mundo da gravação digital. «Elliot Mazer estava no lugar certo, na altura certa», disse Young a Jimmy McDonough na sua biografia, “Shakey”. «Ele deixou-me fazer a minha música e gravou-a».

Mazer nasceu a 5 de Setembro de 1941 na cidade de Nova Iorque. Pouco depois do seu nascimento, os seus pais mudaram a família para Teaneck, Nova Jersey, onde ele e Bonnie cresceram. O seu vizinho, Bob Weinstock, era dono da editora de jazz Prestige Records e contratou Mazer quando ele tinha apenas 21 anos, onde organizou cassetes e entregou discos a estações de rádio. O primeiro álbum em que trabalhou foi o “Standard Coltrane”, de 1962, montado a partir de uma colecção de ‘outtakes’ de John Coltrane que ele próprio tinha encontrado.

No final dos anos 1960 e início dos 1970, Mazer tomou o seu amor pela pop e, durante um jantar em Nashville, no início de 1971, conheceu Neil Young, que espontaneamente lhe pediu para produzir “Harvest”. Segundo “Shakey”, Mazer só estava vagamente familiarizado com Young porque a sua namorada tocava constantemente “After the Gold Rush”. Mazer ligou Young a músicos de sessão de Nashville como o baixista Tim Drummond, o baterista Kenny Buttrey e o guitarrista de pedal steel Ben Keith. Juntamente com o pianista Jack Nitzsche, Young chamou-lhes os Stray Gators. A maioria do álbum foi gravado nos estúdios de Mazer, os Quadrafonic Studios, bem como dentro do celeiro de Young – Broken Arrow Ranch, em Redwood City, Califórnia.

Para além dos trabalhos com Young, Mazer acumulou um currículo incrível que inclui nomes como Gordon Lightfoot e os discos “Back Here on Earth”, de 1968, e “Sunday Concert”, de 1969, bem como o álbum ao vivo “The Last Waltz”, dos The Band, em 1978.

Mazer foi inovador na indústria musical, trabalhando no Centro de Informática para a Investigação em Música e Acústica da Universidade de Stanford (CCRMA), tendo sido igualmente co-autor do “D-Zap” – um dispositivo que detecta perigos no estúdio – e o AirCheck, um sistema de monitorização que identifica canções para emissões de rádio e televisão.

EGITANA