Raging Planet Luta Pelas Salas do Underground Musical Português

Raging Planet Luta Pelas Salas do Underground Musical Português

Nero

A Raging Planet, editora portuguesa, criou uma campanha de vendas cujo lucro irá reverter totalmente para uma lista de salas que alimentam o circuito musical nacional que está fora do mainstream, uma actividade estrategicamente vital para a música portuguesa e que está fora dos incentivos estatais dedicados à cultura.

Uma das actividades profissionais que continua severamente penalizada pelas regras de distanciamento social, para combater a pandemia Covid-19, é a música ao vivo. Naturalmente, sem grandes estruturas por detrás de si, os pequenos promotores e as pequenas salas, reduzidas em espaço mas de extraordinária dimensão para o circuito fora do mainstream musical, são dos que mais vão sofrer com a falta de receitas.

Já de si, normalmente, essas receitas são curtas. Afinal, este é um circuito mais emocional que comercial. A editora nacional Raging Planet decidiu mover-se solidariamente em favor de várias salas de todo o país e criou uma campanha cujos lucros reverterão na totalidade para esses agentes do underground musical.

Em comunicado, lançado nas suas redes, a Raging Planet diz:

«Caros amigos,
estamos, sem dúvida, perante tempos complicados para a nossa “cena musical local” e o fim não está à vista. Se já era complicado, antes desta pausa forçada, gerir uma sala de espectáculos, associação ou bar que tenha espaço para música ao vivo, durante o período de confinamento e nesta ausência de concertos, estará a ser ainda mais difícil. O mesmo acontece com outras entidades que apoiam artistas e técnicos, bem como os meios que promovem estes pequenos espectáculos. Todas essas entidades têm ajudado, ao longo dos anos, a promover os nossos artistas e bandas e está na altura de retribuir de alguma forma. Perante esta situação, queremos tentar dar o nosso melhor contributo para com estas entidades, pensando numa alternativa que está ao nosso alcance, as edições em CD.

Criámos 8 lotes de CD’s, divididos por géneros, que podem ser adquiridos por 25 euros. Cada lote é composto por 5 CD’s de cada género + 1 CD compilação surpresa.

No caso de entrega em mão, o valor total reverte a favor de uma entidade escolhida pelo comprador e dentro de uma lista de clubes e associações disponibilizada, com acordo prévio e devida autorização das mesmas. No caso de envio por correio, será subtraído o valor dos portes e todo o valor restante será entregue à entidade seleccionada.

Para ver os lotes (Metal/Extreme/Punk-HC/Hard Rock/Post Rock/Alternativo/Rock-Música Portuguesa) podem consultar as fotos no nosso Facebook e caso queiram ajudar desta forma indiquem-nos que entidade pretendem ajudar».

No comunicado podem verificar a lista de entidades e também os álbuns disponíveis na promoção. A campanha é válida até 30 de Setembro de 2020 e limitada ao stock existente. Acrescentamos que, no caso de entrega em mão, receberão ainda, gratuitamente, um dos quatro almanaques impressos da Arte Sonora.

Entidades para quem reverterá:

Associação Recreativa e Cultural de Músicos (Faro)
BAFO DE BACO (Loulé),
Barracuda – Clube de Roque (Porto)
Cave Avenida (Viana do Castelo)
Cine Incrível – Alma Danada (Almada)
Drac Associação (Figueira da Foz)
Fantasma (Lisboa)
Ferro Bar Café (Porto)
Locomotiva (Barreiro)
LOUD! (Revista)
Marginália Bar (Portimão)
Metalpoint (Porto)
RCA CLUB (Lisboa)
Side B Rocks (Alenquer)
Stereogun (Leiria)
TEXAS BAR Leiria (Leiria)
união audiovisual (Grupo de apoio de colaboradores de Audiovisual)
Woodstock 69 Rock bar (Porto)

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.