Rão Kyao Homenageia Mahatma Gandhi

Rão Kyao Homenageia Mahatma Gandhi

Redacção

Rão Kyao vai regressar aos discos em 2021, com o álbum “Gandhi – Um Português Homenageia Gandhi”. O primeiro single, “Respeito Pela Natureza”, já estreou.

O final de 2021 ficará marcado pelo regresso de Rão Kyao aos palcos, digressão que se segue ao lançamento mundial de um novo álbum, previsto para o próximo mês de Maio. Este álbum intitula-se “Gandhi – Um Português Homenageia Gandhi” e é uma homenagem ao líder indiano Mahatma Gandhi (1869-1948), por altura das celebrações dos 150 anos do seu nascimento.

Um homem da espiritualidade que focava a sua atenção nos seres humanos e na natureza. Que sabia olhar para dentro e para o que nos rodeia. «Estava à frente do tempo. Continua um futurista. A sua filosofia é aquilo que precisamos para este tempo», refere Rão Kyao.

O primeiro single estreou no dia 4 de Março e intitula-se “Respeito Pela Natureza”, uma vez mais música instrumental capaz de nos fazer viajar até à Índia, sem que em nenhum momento saiamos das texturas e ritmos de Portugal, numa viagem que é, afinal, ao nosso interior. Música pacificadora, mas ativa e encantatória, como a filosofia de Gandhi.

“Gandhi – Um Português Homenageia Gandhi” nasceu de um desafio lançado pelas entidades oficiais da Índia a 124 países. Cada um destes países teria de escolher um músico que recriasse Vaishnav Jan to Tene Kahiye, o tema que Gandhi mais ouvia e que se foi transformando numa espécie de hino não oficial da nação indiana.

«Foi então que a embaixada da Índia me contactou para conceber uma versão desse tema, a partir do facto de ter estudado lá dez anos e da minha música ter influências indianas», afirma Rão Kyao. Depois de ter finalizado a recriação, obteve uma reação imediata, que não deixa de ser inesperada por parte do primeiro ministro da Índia, Narendra Modi que o referenciou e publicou em todas as suas redes sociais.

Este foi apenas o primeiro passo. Sendo Rão Kyao um compositor e flautista português, cuja música respira tanto universalidade como portugalidade. Sendo a sua música um convite para mergulharmos em nós próprios, para estarmos mais atentos aos outros e ao que nos circunda. Este era o momento em que Rão Kyao mergulhava, ainda mais fundo, na actualidade do pensamento de Gandhi, para conceber todo um álbum.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA