Red Hot Chili Peppers no NOS Alive 2021

Red Hot Chili Peppers no NOS Alive 2021

Redacção

A 14ª Edição do NOS Alive está de volta nos dias 07, 08, 09 e 10 de Julho de 2021, no Passeio Marítimo de Algés.

A 365 dias da abertura de portas, o festival junta ao cartaz uma grande confirmação: no dia 8 de julho os Red Hot Chilli Peppers sobem ao palco NOS para uma atuação que promete ficar marcada na história. Com mais de 100 milhões de discos vendidos, os RHCP são considerados umas das maiores bandas de sempre do universo rock. Com mais de 30 anos de existência, a banda composta por Anthony Kiedis, Flea, Chad Smith e com o recente retorno do John Frusciante em 2019.

A última visita da banda ao nosso país teve lugar em 2017, com um concerto inserido na edição desse ano do festival Super Bock Super Rock. Sobre esse concerto, a AS disse: «Olhando com atenção para cada um dos membros da banda individualmente, chegamos à conclusão que um espectáculo de Red Hot é, acima de tudo, uma verdadeira lição de vigor técnico musical. Por um lado, temos o talento vocal de Anthony Kiedis, que é dos poucos, hoje em dia, a fazer justiça à expressão lead singer. Por outro, temos a energia e concentração de Chad Smith. E Flea? Bom, se Flea não é o melhor rock bassman à face da terra, as suas linhas de baixo a prestar homenagem à herança funk dizem-nos que deve ser. Mesmo John Klinghoffer, que será para sempre perseguido, injustamente, com o título de substituto de Frusciante, mostrou-nos que o uso do wah wah nunca é demais».

Precisamente, sobre John Klinghoffer e John Frusciante, os Red Hot Chili Peppers criaram um enorme entusiasmo entre a sua massa de fãs. No dia 16 de Dezembro de 2019, a banda usou a sua conta no Instagram anunciar que John Frusciante está de regresso para ocupar o lugar de Josh Klinghoffer, cujo comportamento na última década é alvo de louvores por parte da bandas: «um excelente músico que respeitamos e adoramos».

Falando particularmente nos músicos… O baterista Chad Smith fez uma perninha no mais recente álbum de Ozzy Osbourne, integrando a secção rítmica do disco ao lado de Duff McKagan, que também irá passar com os Guns N’ Roses em Portugal em 2020. Já o infatigável baixista Flea trabalhou com Thom Yorke na banda-sonora do filme “Motherless Brooklyn”. A pedido de Edward Norton, escreveram uma canção para um novo filme protagonizado pelo actor. “Daily Battles” é melancolicamente evocativa dos anos 50, época do enredo.

2019 foi um ano intenso para os californianos, no qual se destaca o concerto nas Pirâmides de Gizé, no Egipto, dia 15 de Março. Foi a primeira apresentação da banda de Los Angeles no deserto e o momento histórico foi transmitido ao vivo pela Nugs.net no canal oficial da banda no Youtube. Foi também a primeira vez que um evento realizado nas pirâmides do Egipto recebeu transmissão em directo e ao vivo, em 4K, para todo o mundo. O áudio foi gravado e publicado em LiveChiliPeppers.com.

O álbum mais recente da banda é “The Getaway”, de 2016, que sucedeu a “I’m With You”, de 2011. À semelhança dos concertos de 2019, já fora do grande contexto da The Getaway World Tour, a presença no Rock In Rio Lisboa servirá para a bandar readquirir dinâmica de interacção com John Frusciante, antes de partir para um novo álbum. Se estão excitados, é normal. Afinal, Frusciante assina uma grande fatia dos melhores temas dos Red Hot Chili Peppers, desde logo o emblemático álbum “Blood Sugar Sex Magik”.

A esta boa surpresa, e aos já anunciados Da Weasel, juntam-se ainda ao cartaz em 2021: Alt- J, Two Door Cinema Club, Angel Olsen, Caribou, Parcels, Black Pumas, Fontaines D.C., Nothing But Thieves, Moses Sumney, Hobo Johnson and The Lovemakers, Alec Benjamin, Seasick Steve e Sea Girls e muito mais a confirmar.

Os bilhetes para o NOS Alive’21 já se encontram à venda nos locais habituais. Todos os portadores de bilhetes para o NOS Alive’20 ou Voucher, que queiram garantir o seu lugar, deverão proceder à troca obrigatória para bilhetes válidos do NOS Alive’21, mediante lotação disponível.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.