Satellite Amplifiers Revela Estar a Ser Alvo de Processo Legal da Gibson

Satellite Amplifiers Revela Estar a Ser Alvo de Processo Legal da Gibson

Nero

A Satellite Amplifiers, pela voz do seu dono, Adam Grimm, alega que foi alvo de processo legal. Em causa está o design dos relativamente obscuros modelos Epiphone Coronet.

Ainda mal passou um ano desde que a Gibson abriu uma Caixa de Pandora com o infame vídeo “Play Authentic” de Mark Agnesi, que desencadeou uma série de conflitos legais (o mais emblemático será o processo à Dean Guitars), e a gigante marca de guitarras poderá estar a criar uma nova frente de batalha. De acordo com Adam Grimm, proprietário da Satellite Amplifiers, a Gibson processou esta pequena marca.

O motivo da disputa legal está relacionado com o facto de a Satellite usar o design Epiphone Coronet em vários dos seus instrumentos. A Epiphone produzia as guitarras Coronet entre 1959 e a década de 70. A Satellite iniciou a sua produção em 2016.

«Queria avisar toda a gente sobre o que se está a passar com as Coronets. A Gibson Guitars está a tentar invalidar a minha licença Federal Trademark para a Coronet», diz Grimm no Instagram, antes de expôr a sua apologia. «Sei que a Gibson abandonou o modelo em 1999 e nunca se preocupou em protegê-lo ou mantê-lo “vivo”. Nunca. Até agora. Porquê? Porque eu e alguns outros o revitalizámos e o apresentámos a um novo público que nem sequer sabia da sua existência».

Após ser notificado da acção legal da Gibson, Grimm refere que, em conjunto com a sua equipa, fez uma oferta para comprar o modelo, num gesto de boa-fé, por metade do valor que irá custar às marcas lutar legalmente sobre estes direitos, mas não obteve qualquer resposta. O mesmo Grimm realçou que quando a Satellite estreou a sua Coronet, na NAMM 2017, «representantes da Gibson vieram ver e fotografar as Coronets e até conversaram um pouco connosco. Sabem das guitarras desde essa altura».

A Gibson ainda não prestou qualquer esclarecimento sobre este assunto. Vale a pena recordar, até pelas datas referidas por Adam Grimm, que a Gibson, no ano passado, tendo em conta a negativa reacção pública às acções legais da marca, lançou um comunicado defendendo a actual direcção e isentando-a de responsabilidades: «Toda a atenção recente a alguns processos em andamento está entroncada em vários anos de disputa legal iniciada bem antes da nova direcção ter assumido as suas funções em Novembro de 2018. Com preocupações específicas às dinâmicas legais actuais herdadas que dizem respeito à Dean Guitars, a nova equipa Gibson fez várias tentativas para comunicar com eles directamente e evitar uma prolongada batalha legal. A Gibson tem genuínas intenções de uma resolução constructiva que possa ser benéfica para ambas as partes».

A Gibson já respondeu a estas declarações.

Até surgir esta comunicação da Satellite Amplifiers, a controvérsia parecia estar atenuada, afinal a Gibson anunciou a iniciativa Authorized Partnership Program, o que permite que construtores boutique trabalhem directamente com a marca em instrumentos que espelhem formatos icónicos com a Flying V e Explorer. Até agora a Gibson criou parceria com a Jimmy Wallace Guitars, Banker Custom Guitars e Echopark Guitars. Curiosamente, nos tribunais europeus, a Gibson perdeu as patentes sobre o formato Flying V e Firebird.

Mas, ainda em relação a esta iniciativa, Cesar Gueikian, director de marketing, referiu ser «uma excelente forma de homenagear o engenho que nos foi deixado por Orville [fundador da marca]. Ele começou sozinho em Kalamazoo e se repararem em tipos como o Matthew Hughes da Banker, é um tipo sozinho numa oficina e está a construir instrumentos espantosos. É uma forma de homenagear o nosso passado e história com o Orville».

Podes descobrir um pouco mais da história de Orville Gibson AQUI. Em relação a celebrar a sua própria história, a Gibson aproveitou a NAMM 2020 para anunciar vários modelos de assinatura na colecção Slash ou para apresentar a histórica edição limitada em homenagem a Tony Iommi.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.