Steven Wilson e o Possível Regresso dos Storm Corrosion

Steven Wilson e o Possível Regresso dos Storm Corrosion

Redacção

O projecto paralelo de Steven Wilson e Mikael Åkerfeldt celebra o seu décimo aniversário em 2022. Wilson fala sobre hipóteses de um segundo disco.

Storm Corrosion foi uma colaboração que durou dois anos (2010-2012) entre Mikael Åkerfeldt – dos suecos Opeth – e Steven Wilson, artista inglês e frontman da banda de rock progressivo Porcupine Tree. Numa altura em que se aproxima a celebração dos 10 anos do único álbum editado pelo projecto, Steven Wilson discutiu a possibilidade de um novo disco.

Numa entrevista publicada na última edição da Prog Magazine, Wilson mencionou que está actualmente a trabalhar num novo remix do álbum dos Storm Corrosion, o qual será celebrado com uma nova reedição, daí que até possa ser o momento oportuno para o aguardado regresso. «Adoro esse disco», diz Wilson. «Foi outro disco que gerou muita controvérsia, mas estou tão orgulhoso dele. Parte da razão pela qual ambos estamos orgulhosos é que foi a última coisa que alguém esperava que fizéssemos».

Wilson, que recentemente editou “The Future Bites”, explicou que «agora até poderia ser uma boa altura para fazer outro disco» de Storm Corrosion, lembrando, no entanto, os obstáculos que ainda existem a travar essa reunião: «Obviamente, há a questão geográfica. Não podemos simplesmente reunir-nos nas terças à noite e improvisar. E também não o queremos fazer por e-mail. Fizemos Storm Corrosion quando estávamos na mesma sala e não gostaríamos de fazer um disco de outra forma. Mas gosto de pensar que o faremos eventualmente».

Steven Wilson menciona ainda estar a preparar algumas surpresas para quando finalmente fizer uma digressão de apoio ao seu “The Future Bites”, que provavelmente deverá incluir alguns temas de “Voyage 34 – The Complete Trip”, o álbum de 2000 que é uma colectânea de canções dos Porcupine Tree, gravadas entre 1992 e 1993. «Vou tocar isso na minha próxima digressão, porque encaixa perfeitamente no que estou a fazer agora».

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA