Tédio Boys Revistos e “Aumentados” Em Tributo Especial por Bandas de Coimbra

Tédio Boys Revistos e “Aumentados” Em Tributo Especial por Bandas de Coimbra

Redacção
Susana Paiva

A Lux Records deverá lançar este ano um álbum de tributo aos Tédio Boys, com versões de todos os discos por bandas de Coimbra. O álbum vai chamar-se “Coverbilly Psychosis – A Tribute to Tédio Boys” e vai contar com versões dos Dirty Coal Train, D3O, Birds Are Indie, A Jigsaw, Subway Riders, Flying Cages e Ghost Hunt, entre outros.

Como forma de antecipar o álbum, a Lux Records lançou um single de vinil com a versão dos Act-Ups de “Baldie (The Bulldog)”, do segundo álbum dos Tédio Boys, “Outer Space Shit!!!”, que podes ouvir no final do artigo, e ainda um tema dos Dirty Coal Train que junta duas faixas do disco de estreia da banda de Coimbra, “Porkabilly Psychosis!!!”, de 1994. Tal como o single, também o álbum terá capa desenhada por Toni Fortuna, que foi vocalista dos Tédio Boys, participando ainda com uma versão com a sua banda D3O.

O antigo baterista da banda Carlos Mendes (‘Kaló’) participa na versão dos Dirty Coal Train e o guitarrista Victor Torpedo no tema interpretado por Tracy Vandal, havendo ainda a hipótese de Paulo Furtado também participar, segundo explicou o responsável da Lux Records, Rui Ferreira, em declarações à agência Lusa.

A maioria das restantes canções já estão pensadas e preparadas, estando previsto que as bandas entrem estúdio (Blue House, em Coimbra) em breve. O disco irá sair em CD e em vinil, contando com versões de todos os álbuns dos Tédio Boys, inclusive “Pussy Nest”, trabalho que não teve edição física.

Os Tédio Boys eram inicialmente formados por Paulo Furtado, Toni Fortuna, Victor Torpedo, Sérgio Cardoso, Nito e André Ribeiro. Posteriormente, também participaram na banda Kaló, que viria a formar os Bunnyranch, e Pedro Chau, actualmente nos Ghost Hunt. A banda de Coimbra fez várias digressões nos Estados Unidos, onde editaram pela Elevator Music, após a estreia, em 1994. Vários dos seus elementos acabaram por criar outros projectos, como os Blood Safari, Twist Connection, Wraygunn, D30 e os The Parkinsons.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA