The Black Crowes Reeditam “Shake Your Money Maker”, 30 Anos Depois

The Black Crowes Reeditam “Shake Your Money Maker”, 30 Anos Depois

Redacção

Os The Black Crowes celebram 30 anos do álbum de estreia “Shake Your Money Maker” com uma edição de luxo para coleccionadores.

Nunca foi fácil a relação entre os irmãos Chris, vocalista, e Rich Robinson, guitarrista e principal compositor da banda. Para se perceber o ambiente que imperava na banda fundada em 1984 em Atlanta, Geórgia, o baterista e membro co-fundador, Steve Gorman, escreveu no seu livro de memórias de 2019 “Hard To Handle” que «um bom dia nos Black Crowes foi apenas um dia que não foi mau».

No entanto, na hora de fazer música, os irmãos tinham uma ligação profunda. E o que criaram com “Shake Your Money Maker”, de 1990, foi (só) um dos melhores álbuns de estreia de todos os tempos no rock’n’roll americano.

Lançado pela Def American, do produtor Rick Rubin, e produzido habilmente pelo braço direito de Rubin, George Drakoulias, “Shake Your Money Maker” foi o que se pode chamar de anomalia numa época em que o metal ainda era um grande negócio e o rock alternativo estava em ascensão.

Os Crowes tinham um som ao mesmo tempo americano e evocativo dos grandes grupos britânicos de rock’n’roll, blues e soul do final dos anos 1960 e início dos anos 70, nomeadamente os Rolling Stones e os Faces. Nessa altura, os Crowes eram uma banda jovem, com toda a energia inerente e formavam, sem dúvida, um bloco consistente: além da mestria dos irmãos Robinson, Gorman e o baixista Johnny Colt eram uma secção rítmica forte e repleta de swing.

O que elevou “Shake Your Money Maker” para lá de um mero pastiche e o transformou num campeão de vendas foi, claro está, um punhado de grandes canções, entre as quais uma versão do tema de Otis Redding “Hard To Handle” – inicialmente considerada como descartável, um lado B – e que se tornou num single de sucesso.

Trinta anos depois, a nova caixa de luxo inclui, além das versões originais dos temas, muitos out-takes – um dos quais “Charming Mess” (para ouvir mais abaixo), e ainda demos do período em que a banda se chamava Mr. Crowe’s Garden. A cereja no topo do bolo são talvez os 14 temas de um concerto em Atlanta, o espectáculo de regresso a casa na digressão Money Maker, com a banda em alta numa atmosfera triunfante.

Como parte da celebração das três décadas do álbum de estreia, os Black Crowes vão tocar em Portugal ainda este ano (assim esperamos).

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

 

EGITANA