The Horrors Regressam Com “Lout” a Roçar o Metal Industrial

The Horrors Regressam Com “Lout” a Roçar o Metal Industrial

Redacção

«É a música mais desagradável que fizemos desde “Strange House”», diz o baixista dos Horrors, Rhys Webb.

Os The Horrors estão de volta, quatro anos depois do longa-duração “V”, com um novo single e um som totalmente remodelado. A faixa já disponível tem o mesmo título do novo EP de três faixas, “Lout”, o sexto registo de estúdio da banda que será editado a 12 de Março e mostra uns The Horrors mais industriais, mais agressivos. Podes conferir no final do artigo.

«“Lout” é sobre a relação entre a escolha e o acaso, a tomada compulsiva de riscos e o empurrar da sorte», explicou o frontman Faris Badwan, sublinhando ainda, relativamente ao novo som do grupo de Southend-on-Sea, Inglaterra: «Como banda, particularmente ao vivo, sempre tivemos um lado agressivo e quando começámos a escrever novas canções tornou-se claro que estávamos a ir nessa direcção».

O teclista Tom Furse considera que «parece um regresso a um som mais pesado mas que na realidade está a um milhão de milhas de distância de qualquer coisa que a banda tenha feito», frisando: «Manter o som agressivo e as batidas pesadas era um princípio central, tudo parecia cair em torno disso».

Por sua vez, o baixista Rhys Webb afirmou mesmo que «esta é a música mais desagradável que os The Horrors fizeram desde a estreia» em 2007, com “Strange House”, comparando-a a «uma intensa barragem de ruído industrial».

Todas as canções de “Lout” foram escritas e gravadas remotamente durante a pandemia. «No passado, sempre que escrevemos coisas mais duras, isso veio da energia que recebemos de todos tocarmos juntos numa sala, mas criar este tipo de atmosfera remotamente era um desafio diferente», disse o vocalista Faris Badwan. «Mal posso esperar para tocar estas canções ao vivo, pois há tanta liberdade nesse tipo de caos».

O EP “Lout” chega a 12 de Março, mas já o podes pré-encomendar aqui.

1: Lout; 2: Org; 3: Whiplash

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.