Aproxima-se o novo álbum dos Tool

Aproxima-se o novo álbum dos Tool

Timóteo Azevedo

Desta vez, as fontes sobre o aproximar do 5º álbum de estúdio dos Tool são irrefutáveis. Em Julho passado, o baterista Danny Carey já havia afirmado que o material reunido dava-lhe esperança de entrar em estúdio, com a banda, no final de 2013. Em Setembro, o próprio Maynard James Keenan havia feito uma referência obscura (através de uma ashtag no Instagram de Puscifer) a Tool em 2014. Agora, e sem adiantar detalhes concretos quanto à envolvência de Maynard neste momento, nem adiantar datas de gravação ou de edição, foi no próprio siteoficial dos Tool que surgiu um extenso comunicado, por um autor anónimo (possivelmente o webmaster) a dar conta do estado das coisas:

“Algumas semanas atrás visitei o loft dos Tool para tentar perceber como as coisas estavam a progredir nas sessões de composição, uma vez que a banda se tornou a dedicar a isso em força. Tenho o prazer de anunciar que tem existido, de facto, um enorme progresso em relação a novo material, especialmente com a longa peça chamada “epic”, na qual os rapazes estão a trabalhar há já algum tempo.

Pouco após ter chegado, e antes de puxarem dos seus instrumentos, o Adam sugeriu que ouvissem as gravações da sessão anterior de forma a certificarem-se que estavam todos de acordo com as partes mais recentes. E ouviram. Para vos dar uma ideia – o meu período no parquímetro expirou duas vezes antes que se ouvisse tudo. E, a julgar pelos sorrisos nos seus rostos, parece que na maioria das coisas o Danny, o Adam e o Justin gostaram bastante do que estiveram a ouvir e que, após alguns retoques finais, a malha “epic” estará pronta para a entregar a Maynard, para que faça a sua cena (durante algumas partes mais melódicas, tentei imaginar as vozes que, para mim, poderão colar tudo).

Após alguma discussão sobre uns rapidíssimos triplets [alternância nas peças de bateria], perguntei ao Danny se ele seria capaz de “mandar abaixo” essa peça num só take quando chegar a altura de gravar? A sua resposta foi um sorriso e meter as mãos à cabeça, algo que quem lê pode interpretar como quiser. Quanto à canção em si, sem revelar muitos detalhes, possui tempos complexos, uma estrutura harmónica interessante e extenso processamento de efeitos – similar ao que os fãs de Tool se habituaram a esperar – apenas agora, talvez sem surpresa, a banda a está a levar a outro nível.

Ok, tendo dado este pedaço de actualização, por favor atentem que NÃO estou a sugerir de qualquer forma de que a banda está pronta a entrar brevemente em estúdio. Honestamente, não tenho qualquer ideia de agendas de gravação. Também não tenho a certeza de quantas canções estão próximas de ficar completas neste momento. Nem sei em que ponto as vozes estarão em QUALQUER do novo material. Tudo o que estou a dizer é que tanto quanto esta canção revela (e é bastante longa), estava bastante próxima de estar completa (instrumentalmente falando) do que da última vez que tinha ouvido e que os fãs da música de Tool não ficarão, certamente, desapontados”.

EGITANA