Trabalhadores da música marcham em Manchester

Trabalhadores da música marcham em Manchester

Redacção
WireIimage

À semelhança do que aconteceu em Lisboa, milhares de trabalhadores da indústria musical marcharam pelas ruas de Manchester, Inglaterra, empurrando flight cases pelas ruas para aumentar a sensibilização para as taxas de desemprego maciço em plena crise da pandemia.

Entre os manifestantes estiveram produtores, engenheiros, gestores turísticos, pessoal de segurança, camionistas, técnicos de som e luz, roadies, a maioria dos quais freelancers. Em simultâneo, mais de 300 salas de espectáculos em todo o Reino Unido – incluindo o Royal Festival Hall e o National Theatre de Londres – acenderam luzes vermelhas nos seus edifícios em solidariedade e apoio aos trabalhadores da música.

No mês passado, o Reino Unido anunciou um pacote de ajuda no valor de 1,57 mil milhões de libras para apoiar teatros, galerias e outros locais. Embora o governo tenha declarado anteriormente que isto acabaria por conduzir a mais trabalho para os freelancers, a verdade é que muitos encontram-se actualmente em dificuldades financeiras terríveis sem financiamento directo do governo.

Alistair Westell, um técnico de áudio freelance, falou à BBC sobre como o cancelamento do seu calendário de trabalho o afectou: “Tudo no meu calendário apareceu em Março, incluindo os Jogos Olímpicos em Tóquio, que eu deveria ter estado a trabalhar na semana passada. Devo admitir que tive algumas noites sem dormir“.

A campanha Red Alert tem conquistado o apoio de vários grandes artistas, incluindo Peter Gabriel, New Order and The Cure.

Num post publicado no Facebook, os membros dos New Order fizeram uma declaração exortando os fãs a juntarem-se ao movimento: Sem grande apoio imediato do [governo], toda a cadeia de fornecimento do sector de eventos ao vivo está em risco de colapso“.

A Red Alert é uma campanha de sensibilização do público e dos meios de comunicação social em apoio do sector de eventos ao vivo que emprega mais de cerca de 1.000.000 de pessoas altamente qualificadas no Reino Unido, todas elas sem trabalho durante os últimos quatro meses, com poucas probabilidades de reinício até à Primavera de 2021.