Vai-m’à Banda Regressa a Guimarães em Agosto 2021

Vai-m’à Banda Regressa a Guimarães em Agosto 2021

Redacção
Diana Matias

Na sua quarta edição, o Vai-m’à Banda está de regresso numa versão adaptada aos desafios actuais. Filipe Sambado, Chinaskee, Maria Reis e Fumo Ninja são os nomes do cartaz deste ano no regresso distanciado às tascas da cidade de Guimarães.

Ao invés de se juntarem à mesa, entre os já tradicionais encontros de malgas de vinho e caldo verde, os festivaleiros urbanos reunir-se-ão em largos da cidade de Guimarães, mas não muito longe das tascas.

Na sexta-feira, 27 de Agosto, sobem ao palco Filipe Sambado e Chinaskee, no Largo Condessa do Juncal, logo depois do jantar.

Filipe Sambado inaugurou o seu percurso musical em 2012 e conta desde então com três LP’s, um par de EPs e um sem-número de colaborações como músico, compositor ou produtor em diversos projectos musicais. O cantautor lisboeta atreve-se a fazer canções pop imediatas e que nos fazem cantar e reflectir sobre o mundo que nos rodeia e afecta. No Vai-m’à Banda, Filipe Sambado apresenta um novo espectáculo, já desbravando caminhos do seu próximo disco intitulado “Dois Anos de Escorpião em Touro”.

Chinaskee é o alter ego musical de Miguel Gomes. Passou por vários nomes e formações até encontrar este novo lar de rock composto por Bernardo Ramos, Inês Matos, Ricardo Oliveira e tons de vermelho. Depois de “Malmequeres”, o seu primeiro longa-duração lançado em 2017, em 2021 lança “Bochechas”. Neste novo disco, Chinaskee faz canções a homenagear as guitarras e o rock, e deixa para trás os teclados e toda a psicodelia que definia a banda nos discos anteriores.

No sábado, 28, durante a tarde e entre lanches, é a vez de se subir à Penha para a estreia absoluta de Fumo Ninja e Maria Rei, no Largo da Comissão da Penha.

A solo, Maria Reis lançou em Abril “A Flor da Urtiga”, gravado em Lisboa em colaboração com Noah Lennox, depois de “Chove na Sala, Água nos Olhos”, de 2019, e o EP inaugural “Maria”, de 2017. Para sempre fica o legado da banda rock Pega Monstro que formou e conduziu com a sua irmã Júlia Reis. Maria Reis tem também vindo a colaborar regularmente com os mais variados nomes da cena lisboeta em concertos, apresentações artísticas multimediais, edição de música e de poesia.

Fumo Ninja é o experimentar em formato canção por novos territórios onde habita muito ritmo, liberdade e disrupção. Norberto Lobo, Leonor Arnaut, Raquel Pimpão e Ricardo Martins apresentam, neste primeiro concerto, o que estiveram a criar no último ano. O quarteto estreia-se nos palcos no Vai-m’à Banda.

Os ingressos são gratuitos, porém, de modo a cumprir as regras sanitárias e a criar uma experiência segura, cada concerto terá um número limitado de lugares, com bilhetes a levantar horas antes de cada espectáculo na Tasca Expresso, onde tradicionalmente se inicia o certame.

Tal como em anos anteriores, a organização vai disponibilizar pulseiras que darão acesso à viagem de teleférico para a Penha por apenas 1,5€, num número limitado de lugares e mediante levantamento prévio.

Os promotores convidam o público «a sentar antes e depois do jantar e entre lanches, e apreciar a música que seria ouvida, num ano normal, entre tilintar de copos, de forma ordeira e organizada, como a situação exige. Esperamos numa próxima edição regressar a todos estes locais emblemáticos da cidade, com menos restrições, neste diálogo que pretende contribuir para a preservação das tascas e seus costumes, com a música como a melhor desculpa para reunir pessoas».

O Vai-m’à Banda é organizado pela Revolve com apoio do Município de Guimarães.

CARTAZ

27 de Agosto – Largo Condessa do Juncal
Filipe Sambado
Chinaskee

28 de Agosto – Largo da Comissão da Penha
Maria Reis
Fumo Ninja

EGITANA