Viriatada de Junho

Viriatada de Junho

Redacção

A “Viriatada” acolhe alguns dos lançamentos portugueses do mês num único local.

A música portuguesa tem qualidade e merece ser partilhada. Existem novos lançamentos todos os meses, mas ainda há quem diga que é difícil de encontrar qualidade… A nossa Viriatada mensal reúne alguns dos destaques na música portuguesa num só local. Poupamos-te o trabalho, só tens que visitar a Arte Sonora, conhecer e ouvir. A Viriatada da Arte Sonora está em actualização durante todo o mês! Passa por cá e apoia a música feita em Portugal.

CABRITA – “DANCING WITH BULLETS”// “Dancing with bullets” é o novo single do projecto a solo de Cabrita e conta com a participação de Tó Trips (Dead Combo). Este single antecede o lançamento de um LP de estreia a solo, a ser editado em Outubro de 2020, pela Omnichord Records. Neste disco de estreia, Cabrita, junta quatro saxofones, bateria, teclas e guitarra a explorar fronteiras entre géneros musicais. O single vem acompanhado de um vídeo realizado por Miguel Leão que representa a primeira parte de uma curta-metragem dividida em quatro actos que serão apresentados ao longo dos próximos meses com o lançamento de outros singles deste disco.

SEBENTA – “MUNDO IRREAL”// Este novo single marca a entrada da banda para o catálogo Sony Music Portugal. É também o single de avanço para o próximo álbum do trio composto por Paulecas na voz e no baixo, Fadista na bateria e Ricko na guitarra (músico convidado). Foi gravado nos estúdios Last Step por Filipe Trigo e Renato Grilo, a mistura é de Francisco Grilo, enquanto a masterização decorreu nos “Mister Master” por Rui Dias, tendo a produção ficado nas mãos de Samuel Palitos. “Mundo Irreal” já está disponível para audição nas várias plataformas digitais.

JORGE QUEIJO – “STOP/WALK”// Está online o terceiro dos dez discos que Jorge Queijo pretende lançar em 2020. “Stop/Walk” é uma compilação de temas gravados entre 2016 e 2019 e inclui composições para dança e experiências de estúdio. Em “Stop/Walk”, Jorge Queijo revela a sua componente mais experimental, abstracta e ambiente no campo da electrónica. O lançamento de dez discos no mesmo ano responde a uma urgência interior de concretizar vários planos que estavam, até agora, no seu arquivo. Incluindo gravações dos três últimos anos e novas composições ainda em construção, os diferentes lançamentos integram discos de improvisação com percussão, colaborações com artistas japoneses, composições ao piano e órgão, música electrónica ou apenas canções e improvisações à guitarra. No final, o artista pretende que as dez edições, embora não interligadas, desenhem um panorama sobre aquele que tem sido o trabalho que realiza, enquanto músico e compositor, desde 2009.

D’SOUSA – “SELO”// Dário de Sousa (D’SOUSA) após ouvir em 2011, “House of Ballons”, de The Weeknd, construiu caminho para o seu trabalho de estreia, “Roxy”, EP que viria a ser editado de forma independente em 2018. Nesta fase traz-nos “Gelo”, single influenciado pelo presente, pelo perfume de Lil Peep, passando por “Drugs You Should Try It”, de Travis Scott, entre outros. O tema surge com a necessidade de expor um tema fechado e perigoso, como a depressão/ansiedade.

DIANA OLIVEIRA – “GOAL”// Diana estudou Comunicação Social, mas o sonho de ser DJ arrancou-a da secretária de qualquer redacção e logo começou a escrever o seu próprio futuro, através de linhas electrónicas, com a memória de Detroit e a noção de futuro sempre presente. A trajectória que Diana Oliveira propõe para o seu EP de estreia traduz a sua própria personalidade enquanto DJ e produtora multifacetada. «No novo trabalho há três momentos distintos com espaço para a reflexão. Da deriva do que vem à mente aos argumentos que nos chegam aos ouvidos “Goal” é a faixa que dá nome ao EP. Há também espaço para um afastamento à pista de dança, para um techno mais “sério”, capaz de preencher os espaços que existem dentro da cabeça, ou para impulsionar os que se sentirem chamados a levitar em “Shut Off”. A voz de Diana é uma constante que fica a repetir ideias em “Stuck”, enquanto deixa claro que a história da música de dança a nível nacional ainda tem muito para dar, com marcos como os que os Underground Sound of Lisbon ofereceram ao mundo.» Ouve o seu primeiro EP com o selo Discotexas.

PAULO GONZO – “ESTÁ TUDO BEM”// O novo single de Paulo Gonzo está disponível nas plataformas digitais. “Está tudo bem” é um dos originais retirado do álbum “Essencial”, a ser editado entre Setembro e Outubro.

GRIOT -“ELISABETH”// Os Griot são uma dupla de rock progressivo, oriunda de Leiria e formada pelos músicos João Pascoal (ex-Dream Pawn Shop) e Sérgio Ferreira (11th Dimension; ex-Clutter), em 2014. Depois de editarem o álbum de estreia “Gerald” em 2016, chegou em 2020 o seu sucessor. “Elisabeth” é um álbum conceptual de cerca de 1h de duração com 10 faixas, que apresenta a conclusão da história começada em “Gerald”. “Elisabeth” retrata o crescimento de Elisabeth e a sua vida na cidade “The Great City”. No mesmo participaram 19 músicos tanto Portugueses como estrangeiros. A par com o álbum também foi editado um pequeno livro de 60 páginas, dividido em 5 capítulos, que se desenrola simultaneamente com o mesmo, que pode ser adquirido, aqui.

VASCO VILHENA – “VAPOR”// “Vapor” é o segundo single do próximo álbum de Vasco Vilhena, que se encontra em fase de produção, e conta com um videoclip realizado por João Sanchez, do colectivo Pagárrenda. Intitulado “A Poda das Nuvens”, este disco – cuja data de lançamento está prevista para o último trimestre do ano – representa o sacrifício do sonho causado pela tomada de consciência que surge com a chegada da vida adulta. A par de “Antárctico”, a primeira canção de “A Poda das Nuvens” a ver a luz do dia, “Vapor” apresenta um quadro cinético de teor contemplativo. Este formato estará presente ao longo de todo o disco: cada canção irá contar com o seu próprio “quadro”. Juntando todas as peças, formar-se-á um video-álbum. Pode também ser ouvida no Spotify, Apple Music e Tidal, entre outras plataformas de streaming, assim como no Bandcamp.

DAVID FROM SCOTLAND – “futurewillbebetter”// David From Scotland é uma dupla formada por David Félix e Diogo Barbosa, músicos, produtores e amigos de longa data. David From Scotland surge em 2016, pelas mãos de David Félix, com a edição do single “Neon NymphEm 2018, David convida Diogo Barbosa para tornar-se parte integrante da banda e surgem os primeiros EPs: “Winter Wise” e “Baywatch Drive”. No ano passado, a banda regressou a estúdio e começou a preparar “Hooligan’s Heart”, o disco de estreia de David From Scotland, que será editado em 2021 e que tem como primeiro single “futurewillbebetter”, tema que conta com a colaboração de EVAYA e que serve como cartão de visita para o primeiro registo de longa duração da banda.

PEDRO AUGUSTO – “girl2tone”// Podes ouvir “girl2tone” o tema de avanço para “Duas Vozes”, o EP de estreia em nome próprio do artista e compositor Pedro Augusto (Ghuna-X, Live Low). A ser editado na segunda quinzena de Junho, via Lovers & Lollypops, o álbum foi escrito a partir de duas sequências monofónicas de um sintetizador modular e assume como propósito a vontade de construir um programa musical que pudesse ser apresentada ao vivo sem programações. Seis temas de carácter visual vão compor este vídeo-álbum-viagem em que a música de Pedro Augusto se deposita sobre as imagens criadas por Rafael Gonçalves. 

OMITIR – “ODE”// Dia 31 de Julho será lançado “Ode”, o quarto álbum de OMITIR, pela Loudriver Records. O sucessor do LP “Cotard” lançado em 2011 traz uma mudança de paradigma lírica e de som, apresentando um Black Metal mais tradicional com influências Folk através de seis faixas conceptuais, voltando às origens temáticas do primeiro lançamento “Old Temple Of Depression”. “Flora” é o primeiro single de avanço que podes ouvir no player em baixo.

MACTO – “I : EMERGIR DO CAOS”// MACTO é uma aliança entre Sensei D., o homem de Vivificat, assume a produção – densa e pesada, complexa e a olhar para o futuro – e Youngstud, a garganta que desfiou argumentos em Aversão, agarra com ambas as mãos no microfone – para nos bombardear com palavras e ideias igualmente densas e pesadas, de construção fonética elaborada, com duplos e triplos sentidos mortais, só naquela. Juntos, estes MACTO editaram “I : EMERGIR DO CAOS”, «uma estreia de nervo, de arrojo e força: 8 bangers que desafiam classificações – será trap? será boom bap? rock não é certamente e nu-metal não bate assim. É um híbrido cinemático, carregado de imagens sobre os turvos tempos que todos enfrentamos, com o brilho do aço cromado, o peso do chumbo e a liberdade absoluta de quem sabe que só traçando um caminho próprio se deixa uma marca vincada.»

 

BEATBOMBERS X CARLÃO – “AVIÕES”// Carlão e Stereossauro colaboraram, recentemente, no tema “A Noite” single do DJ/Produtor que conta, também, com a participação de Marisa Liz. Esta colaboração permitiu que a sua relação profissional fosse fortalecida e houvesse uma aproximação criativa natural. Depois daquela bem-sucedida colaboração, os dois começaram a trocar ideias e a trabalhar em demos, à distância e sem um objectivo concreto ainda definido mas com a certeza de que estavam a construir um caminho conjunto. Rapidamente DJ Ride, amigo de sempre de Stereossauro e seu companheiro na dupla Beatbombers , juntou-se ao processo, que acabou por ganhar uma outra solidez durante a fase de confinamento, quando surge a música “Aviões”, aquele que é o primeiro single da tripla. “Aviões” está disponível em formato digital e é acompanhado por um vídeo protagonizado pela bailarina Lauri-Ann Lauzon. Uma produção CASPER FILMS com realização de Bruno Ferreira e edição de Sérgio Pedro.

PALMIERS – “MEDLEY MACCAN”// A banda do Porto já divulgou a primeira amostra do seu álbum de estreia que será editado no dia 20 de Junho. O álbum homónimo «foi gravado algures em 2018 no Quarto Escuro no Porto» e terá o selo da Saliva Diva. Carrega no play para ouvir “Medley MacCan”.

ADFECTUS – “LIFE IS MAGIC”// “Life is Magic” é o single de avanço do próximo álbum de “Adfectus”. “Utopia” será editado em Outubro. Adfectus é o projecto do cantautor/compositor de Viseu, Ricardo Rocha. As suas composições falam sobre amor, frustrações, relacionamentos e outros aspectos da vida e das pessoas que o rodeiam e da sociedade em que vivemos.

FIRMINO PASCOAL – “UM AFRICANO EM ALFAMA”// A música “Um Africano em Alfama” é o mais recente registo em vídeo do artista de raízes angolanas e vivências lusas que vai ser apresentado nas plataformas digitais. «Nós precisamos conhecer a força das palavras pois com palavras podemos trazer paz, o remédio ao coração necessitado, a amizade, o amor. Sonho ter felicidade!» explica Firmino Pascoal sobre a ênfase colocada nas letras que dão suporte à música, onde cabem influências da lusofonia, ritmos africanos, fado e world music. Firmino Pascoal nasceu em Luanda – Angola em Agosto de 1954, com nacionalidade portuguesa reside em Portugal desde os anos sessenta. Cantor, poeta, músico, produtor e artista plástico tem 45 anos de carreira, passou pelos Tantra, Perspectiva e Jorge Fernando no seu tema “Umbadá” e liderou durante 30 anos o projecto Lindu Mona com os quais editou os álbuns “Rosa Afra” e “Bantu”. Decidiu lançar em 22 de Setembro de 2017 um primeiro álbum em nome próprio intitulado “Milongo de Amor”. Em Novembro de 2019 apresentou o segundo álbum em nome próprio de nome “Um Africano em Alfama”.

KHIARO – “AQUELAS MADRUGADAS”//  “Aquelas madrugadas” foi composta em parceria com o músico portuense Nuno Ribeiro, produzida por Khiaro e IM21 e misturada por Mr. Villas nos Estúdios Namouche, em Lisboa. É a segunda abordagem e amostra da sonoridade que o artista está a construir para o seu disco de estreia, a ser lançado em Novembro de 2020. Esta canção foi finalizada enquanto o pais estava em suspenso e entre as ferramentas possíveis de se trabalhar à distância, entre Beja, Lisboa e Porto, a canção foi ganhando esqueleto. Nas palavras de Khiaro, «nesta fase da minha carreira estou mais estável porque já me adaptei à vida numa cidade grande, sem perder a pessoa que sou e fui, as minhas raízes que já não estão presentes no meu dia-a-dia mas que ainda estão em mim».

WILSON HONRADO, FRANCISCO CUNHA feat. EDEN LEWIS – “SOMETHING ABOUT YOU”// Wilson Honrado (dj e uma das vozes mais conhecidas da rádio em Portugal: actualmente faz-se ouvir entre as 14 e as 17 na Rádio Comercial e também no The Weekend, o único programa de dança da estação) estreia-se na produção ao lado de Francisco Cunha (dj e produtor de Coimbra que é já uma certeza na música electrónica nacional e que conta com várias edições internacionais, nomeadamente pela reputada Release Records). Aos dois juntou-se a voz contagiante de Eden Lewis, músico autodidacta do Porto, que já tem no seu curriculum o EP “Momma Mary”, totalmente composto e produzido por si.

ROSA LUXEMBURGO – “ROSA LUXEMBURGO”// Os Rosa Luxemburgo são António Simão na voz, Bernardo Ribeiro e José Duarte nas guitarras, Miguel Cabrita no baixo e na bateria, Rúben Rodrigues. As suas composições falam de «antigalãs em overdrive espiritual e das suas valsas existenciais enquanto a música acompanha com ritmos de filigrana melancólica e riffs agressivamente melódicos.» Em 2020 editaram o seu primeiro trabalho, um EP homónimo gravado no estúdio HAUS em Lisboa com Makoto Yagyu.

FOQUE – “AUSÊNCIA”// Ausência’ é o segundo single de FOQUE, que conta com a colaboração de EVAYA, e que nos remete para tempos que nunca foram tão actuais. Luís Leitão lançou o projecto FOQUE em 2017 e encontra-se em processo de finalização do seu primeiro álbum, que será editado ainda este ano. Depois de ter dado a conhecer “Rapidinha”, podes ouvir mais um single de avanço, “Ausência”. «Às vezes não temos o tempo que necessitamos, outras o dinheiro que precisamos. Raramente as duas condicionantes se encontram em harmonia. Raramente estamos estáveis. “Ausência” é um hino para aqueles que contam os dias e os trocos, um hino a todos os que estão a viver e sobreviver nestes tempos loucos. Fala por mim, por ti, e por todos nós. Precisamos de ser ouvidos, de ser apoiados, enquanto criadores, enquanto humanos.»

ANA DE LLOR – “PENELOPE”// Depois de mostrar “Lilith”, Ana de Llor apresenta o seu segundo single, “Penelope”, um hino trazido à vida pela força dos adufes e um sintetizador profundo que fica embrenhado na memória, unificados pela voz evocativa e melodramática de De LLor. Nas palavras de De Llor: «Alguma vez quiseram usar o vosso próprio corpo de forma a furiosamente tirar a marca que alguém vos deixou? Penso que este tipo de pensamento e acção são vistos como indesejados quando vindos de uma mulher. Os homens sempre tiveram a liberdade de expressar a sua sexualidade sem limitações.» E acrescenta, «como mulher, sinto que não temos expressão na nossa liberdade sexual, da mesma forma que Penelope não o teve na Odisseia. Era expectável da parte dela negar qualquer pretendente, enquanto que o seu marido estava longe numa viagem com fim indefinido, que acabou por durar 20 anos. Ele, por sua vez, fez a decisão de continuar com a sua vida e dormir com Deusas, ninfas e mulheres humanas. Gostaria de imaginar um mundo onde Penelope se livrou desta prisão física e escolheu ser feliz. Um mundo onde ela se põe a ela e às suas necessidades primeiro.» Ana De Llor, é lisboeta mas reside em Londres, funde a sua sinestesia com melodias sombrias, mergulhadas no misticismo português e na electrónica alternativa. A sua arte visual e remotas origens em aldeias portuguesas inspiram canções avant-pop, com uma entrega vocal sincera e honesta. Os ritmos de Adufe dão vida às melodias, servindo de convite para o mundo de De Llor.

DAVID BRUNO – “FESTA DA ESPUMA”// David Bruno está de volta. Depois dos muito aclamados “O último tango em Mafamude” e “Miramar Confidencial”, o artista de Gaia dedica este novo trabalho à sua cidade. “Festa da Espuma” é o primeiro avanço de “Raiashopping” que tem lançamento marcado para dia 1 de Agosto. O single remete-nos para as clássicas festas de verão onde por uma meia dúzia de vezes David Bruno andou e sempre em Agosto, na discoteca Auritex. Para além dos dedos encorrilhados, DB saiu destas festas com propriedade para compor este tema sobre o fenómeno molhado que são as festas da espuma e o microcosmos a si associado.

SWAN PALACE – “NO MIRACLES” // Este é o disco de estreia do projecto de Pedro Menezes, “Swan Palace”, onde mergulha fundo no nevoeiro da alma, esculpindo a sua identidade – inerente à materialização da sua música – mediante uma vertente humana crua e não filtrada. Pairar sobre “No Miracles” é ser-se cumprimentado pela intensa atracção gravitacional onde o ar é rarefeito e o seu peso é cravado intensamente nas escápulas – um abalo delicado e caloroso demora-se pelas paredes; uma sensibilidade palpável e um familiar estado de quietude abriga-nos sob o seu manto. No Swan Palace hoje nada-se na penumbra.

CHINASKEE – “DESANIMADO”// Em Julho do ano passado saiu a “Mobília“. Em Junho deste ano saiu a “Desanimado”. Mesmo a quase um ano de distância, ambos são singles do disco novo de Chinaskee – “Bochechas” que sai a 19 de Fevereiro de 2021 via Revolve. A “Desanimado” é a procura de uma linguagem e de uma roupagem nova para Chinaskee. Uma faceta mais rock, mais energética e mais divertida. Esta canção é gravada e produzida pelo Filipe Sambado e co produzida pela Primeira Dama na Interpress, misturada por Manuel Palha em Alvalade e masterizada a energia solar pelo Eduardo Vinhas no Novo Golden Pony. No player podes ouvir e ver o vídeo para “Desanimado”. «Neste teledisco da Diana Matias, João Tavares, João Figueiras e David Matoso, tentámos retratar um pouco da depressão de estar sozinho em casa. E sem saber dos tempos que se aproximavam, mostra também a saudade de ver um concerto das nossas bandas preferidas.»

MEMA. – “OUTRO LADO”// Este é o terceiro single do EP “Cidade de Sal”, que será editado no último trimestre do ano, de mema. produtora, compositora, guitarrista e cantora portuguesa . “Outro Lado” é o tema que sucede a “Perdi o Norte” e “O Devedor”, os primeiros singles do projecto a solo da artista Sofia Marques a serem apresentados ao público. O “Outro Lado” é um single que fala de paixão à primeira vista. Uma atracção inconfundível, quase impossível de esconder. O corpo é quem dá voz ao que acontece. Em compasso composto, melodias populares e com um estilo de verso igualmente popular e descritivo, o tema retrata as observações de quem se apaixonou por impulso como se da primeira vez se tratasse e com uma urgência como se não houvesse mais amanhã. «Como se hoje fosse a última vez. Como se hoje fosse a tua primeira vez».

L-BLUES – “LUZ” // Os L-Blues lançaram no passado dia 1 de Junho o seu terceiro disco. “Luz” está disponível nas várias plataformas digitais e junta o Blues, o Rock e o folk com a poesia em português. O disco foi produzido por Paulo Miranda no Amp Studio em Viana do Castelo e contou com a participação especial de David Martins nas teclas no tema “Ausência” e da vocalista Vera Fernandes da banda Barcelense Demure. O vídeo que ilustra este tema pode ser visto, aqui. O conceito poético para “Luz” é baseado na “Esperança” e na certeza de haver sempre a esperança de encontrar a luz no fundo do túnel.

GOHU – “A SANTA LEVANTOU A SAIA”// Se sofreste por estar dois meses preso em casa, imagine passar uma vida inteira preso no próprio corpo. É assim que milhões de pessoas vivem. Amordaçando a sua verdadeira vontade por medo de julgamentos exteriores ou por simples convenções sociais: lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, transexuais, travestis, queers, intersexuais, assexuais, pessoas que merecem ser livres para serem felizes. É esse o apelo que Gohu faz em seu segundo single “A Santa Levantou a Saia”, lançado propositadamente no mês do orgulho LGBTQIA+, mas que não se assume como uma mensagem direccionada apenas a membros da comunidade LGBTQIA+. A música, procura conversar com quem oprime, num apelo para uma sociedade mais empática, que crie as condições para que cada um se assuma de forma verdadeira. “Só com liberdade se conquista a verdade” repete continuamente o refrão, ao som de uma batida electrónica áspera e incisiva, entre sons angelicais e cantos gregorianos. Com o sol do Verão já bem forte, esta música é um convite para que todos saiam à rua e revelem todo o seu brilho. O videoclip tem como base pinturas de séculos anteriores ao XVIII. Nele, a censura a órgãos sexuais é transformada num ato de libertação. Uma subversão que ganha vida própria, revelando o que as pessoas poderiam ser na sua essência. Homens que viram mulheres, mulheres que viram homens. Todos entregues ao amor próprio e ao próximo.”A Santa Levantou a Saia” já se encontra disponível em todas as plataformas de streaming.

LUÍS BARBOSA – “IT’S BEEN A LONG TIME”// Este tema foi composto pelo açoriano Luís Barbosa há quatro anos atrás, no entanto só agora foi gravado e ganhou vídeo. “It’s Been a Long Time” fará parte do segundo disco, de seu nome “Time Will Bring Us All Together”.

JOÃO SÓ – “MALDITA HORA” // João Só apresenta novo single e vídeo “Maldita a Hora”, em dueto com Tiago Nogueira (Os Quatro e Meia). João Só prepara-se para editar um disco com um conceito muito próprio e original: uma colecção de mini-discos dentro de um só disco. O vídeo, já disponível no Youtube, conta com ilustrações de Nuno Markl e animação de Frederico BC.

EMMY CURL – ”KEPT ME IN THE STORM”// O vídeo, realizado pela própria, é filmado em casa, mas numa outra realidade. “Kept me in the Storm”, agora em formato radio edit, faz parte do último disco da artista, “ØPorto”, lançado em Novembro de 2019, disponível nas plataformas digitais, bem como nos formatos CD e Vinil. Sobre o tema a artista revela «esta música é sobre a minha luta para processar as minhas emoções. Elas lançam-me numa espiral de ansiedade e distraem-me do que realmente sou e preciso. Percebi que apenas ao sentir e reconhecer as nossas emoções, deixamos de temer o resultado das mesmas. Essa é a tempestade que temos de atravessar nas nossas mentes e corações. Eu chamo-lhe Alchera, alcançável apenas pela meditação. O lugar onde todas as emoções estão certas.»

INÊS HERÉDIA – “DIVINA PROIBIÇÃO” //  O tema conta com a participação de Macondo, também ele responsável pela produção do tema, a letra e música são da autoria de Luis Sanches. Para Inês Herédia: «Proibição. Ordenar que não se faça; prescrever a abstenção de; obstar, impedir, opor-se a. Um exercício sobre a dissincronia entre tempo/capacidade de discernimento, tensão/libertação, mágoa/raiva. A dissincronia de emoções que nascem e morrem ao mesmo tempo. A divina proibição é sempre dissincrone, se o divino proíbe, do divino liberta.» Inês Herédia é atriz e cantora. O seu percurso começou pelo estudo de Teatro. Aos 20 anos, decide ir estudar para Londres. É na capital britânica que compra a sua primeira guitarra e que a música começa a fazer parte de si, editando o seu primeiro single “Voltei a Respirar” em 2018.

BORN-FOLK – “DON’T YOU FEEL LIKE? / LOVE IS A GHOST”// Junho de 2019 marcou oficialmente o início dos Born-Folk, banda fundada na cidade de Lisboa por 3 músicos distintos com vontade de assumir uma epopeia sonora conjunta para bem da humanidade. Com influências oriundas de épocas distintas, a banda descompromete-se com algum movimento em particular, assumindo uma dimensão criativa “pop”, livre e eclética. A ideia de re/nascer (BORN) sucessivamente através da intrínseca simplicidade (FOLK) está na origem do nome do projecto. Junho de 2020, e ainda na “ressaca” do EP de estreia COME INSIDE! lançado em Outubro passado em modo de Verão tardio/Outono, a banda apresenta agora aquele que será muito provavelmente um “in between” ou seja um SINGLE (A + B) que irá anteceder o lançamento do futuro EP reservado para o final do ano. Duas músicas que acentuam a natureza dual (bipolar) desta banda, como é apanágio das composições de Luís Vieira, até ao momento.

TIRO NO ESCURO – “ANSIOSO”// Tiro no Escuro, projecto a solo de Artur Gomes da Costa, frontman da banda indie pop Lucky Who, começa a levantar o véu dos temas que vão compor o EP de estreia homónimo, com data de lançamento agendada para o último trimestre do ano. Depois do tema “Amordaçar”, revelado ao público em Maio deste ano, o músico de 24 anos apresenta agora aos fãs o segundo single “Ansioso”, escrito e produzido pelo próprio, com coprodução de Rodrigo Pessoa Jorge e masterização de Luís Montenegro. O videoclipe, gravado numa casa de férias emprestada, reproduz a multiplicação presente neste projeto individual, através da captação da dispersão de um único individuo nas várias sonoridades patentes na canção. A “complexa simplicidade” da narrativa pretende revelar a viagem do músico durante o processo criativo deste primeiro trabalho a solo. O vídeo foi produzido e editado pelo próprio. Depois de um curso em Londres em produção musical, Artur Gomes da Costa ruma a Portugal para apresentar o seu projeto a solo, no qual mergulha na composição de canções escritas desta vez na língua materna. Composto por seis temas originais o EP que marca a estreia do músico em nome próprio revela já uma enorme maturidade tanto na produção como na criação.

OS QUATRO E MEIA – “BOM RAPAZ”// “Bom Rapaz” é o terceiro single de antecipação do disco “O Tempo Vai Esperar” e conta com a participação especial de Carlão. O segundo longa-duração de originais da banda de Coimbra será composto por 11 faixas e tem data de edição prevista para Setembro, com produção de João Só e selo da Sony Music. «Bom Rapaz” é a versão musical do homem que recusa sê-lo e prefere manter-se sobre proteção arquidivina da sua progenitora. Carlão dá a voz e vida ao homem tranquilo, mas ‘atado’, vivendo dentro da sua bolha e não arriscando ir para ‘fora de pé’, que Os Quatro e Meia conceberam. A fusão é uma experiência melódica improvável, semelhante a um acrobata que se lança de um trampolim acústico para as mãos expressivas de um rapper, sempre com uma zelosa mãe a segurar a rede, cá em baixo, olhando atenta». Esta é a visão da banda sobre este novo single e que conta com a voz única de um dos músicos portugueses mais admirados pelos seis membros do grupo. «Deu-me gozo encarnar um personagem com o qual praticamente não tenho pontos em comum, abriu-se espaço para uma espécie de “representação” oral quando Os Quatro e Meia me convidaram para dar voz a esta sua letra. Em relação à música, continua a ser um dos meus objectivos experimentar juntar mundos musicais na descoberta de novas paisagens sonoras.», explica Carlão.

SREYA – “HOSPITAL DO AMOR” //  Depois de “Emocional” (2017) – canções worldbeat com melodias e linguagem tanto estranhas como familiares à música portuguesa, produzidas por Conan Osíris – chega “Cãezinha-Gatinha”, um oceano pop desaguado por vários afluentes (desta feita numa produção chefiada por Primeira Dama e colaborada por Bejaflor). O título “Cãezinha-Gatinha” nasce de uma aglutinação de termos que Sreya usa para descrever a sua dualidade, um principio bastante presente na linguagem, sons, ambientes, cores e humores das suas criações artísticas: numa narrativa dividida em duas partes, “Cãezinha-Gatinha” terá, respectivamente, canções escritas enquanto uma temporada República Checa e outra metade composta já em Lisboa. “Do frio” é feito de uma aura densa e melancólica, na composição, na lírica ou até nos instrumentos escolhidos. Em “No calor” encontram-se músicas com energia mais alta, tempos mais acelerados e auras mais leves. “Hospital do Amor”, é um single do frio, para dançar e chorar – por oposição a “Calma Coração“, feito no calor.

TOMÁS ADRIÃO E CLAÚDIA PASCOAL – “PASSO A PASSO”// Tomás Adrião regressa aos lançamentos com “Passo A Passo”, o novo single que conta com a participação de Cláudia Pascoal. “Passo A Passo”, que já se encontra disponível em todas as plataformas digitais, foi escrito e composto por Tomás Adrião, LEFT. e Moisés Premoli. A produção ficou ao cargo de LEFT. e mistura e masterização de Márcio Silva, nos estúdios da Great Dane. Nas palavras de Tomás Adrião, «”Passo a Passo” é uma canção que fala de amor. Da fase mais inicial do amor, de quando o amor se revela. Entre o espaço que há entre reparar e conhecer alguém, há sempre muitas perguntas sem resposta, medos e inseguranças. E ao mesmo tempo, uma boa sensação de nervosismo, o brilho inicial de simplesmente reparar em alguém. Para esta canção senti que precisava de uma voz feminina, mas ao mesmo tempo, uma voz que me conhecesse bem, uma amiga. Tenho a sorte de chamar de amiga à Cláudia Pascoal. Ela, mais do que ninguém, conhece este sentimento em mim. Conhece estas minhas dúvidas e inseguranças, tal como eu conheço as dela. E assim, fizemos desta música, uma conversa igual a tantas outras que temos. Desta vez, em canção, sobre ser certo ou errado ir ‘passo a passo”». No vídeo oficial, realizado e editado por Tomás Adrião, podemos passar um dia de verão, numa breve roadtrip de amigos, do ponto de vista de todos os intervenientes.

PROFJAM x BENJI PRICE – “SYSTEM”// Prof e benji entenderam no início do ano que tinham ambos vontade de criar algo de novo para o calendário de 2020. A pandemia acabou por lhes dar o tempo de que necessitavam e tornar óbvio que faria todo o sentido unirem esforços e visões. A trabalharem em confinamento, cada um no seu respectivo quartel-general, os dois concentraram-se na escrita, forçando as respectivas fasquias a moverem-se para cima. ‘“SYSTEM” são 11 batidas de primeira linha maioritariamente criadas por benji price (Lazuli dá um contributo num dos momentos do álbum) e 11 sessões de rima em que fica claro que ambos os MCs estão interessados no avanço da sua arte. Há observações sobre a vida e o sucesso, sobre o game que ambos continuam a querer matar, sobre o futuro e os prazeres, sobre o autoconhecimento. «Entro num beat para me conhecer», confirma, aliás, ProfJam em “ORIGAMI”, tema em que a dupla declara ter vindo para “dobrar papel”.

NORTON – “MADRUGADA”// Madrugada” antecipa o álbum “Heavy Light” que sai já dia 3 de Julho. É sobre amor. Amor a escorrer como suor numa pista de dança qualquer. Amor e sedução a preencher todo o espaço livre. Optimismo e esperança desafiados pela sombra do desconhecido. “Heavy Light” está disponível para pré-compra no site oficial da banda nos formatos vinil, CD e cassete digital. O video de “Madrugada” também já está disponível e pode ser visto, aqui.

SLIMMY – “MALDIÇÃO”// Slimmy apresenta o novo single “Maldição”, retirado do mais recente álbum “I’m not crazy, I’m in Love”. “Maldição” é um tema autobiográfico sobre a luta do músico contra uma depressão que mudou a sua vida por completo. É um tema também de superação de uma batalha que Slimmy conseguiu ultrapassar com o apoio e amor da família e com o nascimento da sua primeira filha, Camila. Em tempos tão conturbados para todas as áreas profissionais, e em específico para as artes, a saúde mental é cada vez mais importante. É urgente debater estes temas e acabar com o estigma das doenças mentais. Tal como a saúde física, a saúde mental é também uma prioridade.

SELMA UAMUSSE – HOYO HOYO// Produzido novamente pela Casota Collective, o vídeo de Hoyo Hoyo conta com a participação de Aline Neves, Samuel Cruz e a própria Selma Uamusse. Um vídeo que intensifica uma mensagem de boas vindas ao mundo, à terra e à vida que nela brota, porque a vida só é plena se for vivida com propósito.  “Hoyo Hoyo” cruza o rock, a soul, o gospel, o experimentalismo e o blues com a candura das timbilas e das vozes africanas, terminando de forma catártica com palavras quase proféticas: “Tu és forte, livre, luminoso, guerreiro, cheio de fogo, ousado, corajoso, amor, paz, alegria, descanso,
sabedoria, digno, cheio de glória, cheio de glória, cheio de glória.” O single faz parte do novo álbum “LIWONINGO” (luz) que poderá ser escutado ao vivo em estreia na Programação Jardim de Verão, no Auditório exterior da Fundação Calouste Gulbenkian, com curadoria da ZDB, no dia 18 de Julho às 21h45. 

MARIA JOÃO | OGRE ELECTRIC – “RESPIROS”// “Open Your Mouth” é o novo disco de Maria João | OGRE electric com data de edição marcada para Setembro. Comemora os 10 anos do projecto. “Respiros” é o novo single de avanço. Livre e improvisadora no coração, Maria João leva-nos à volta do mundo numa história de amor, acompanhada pelo seu OGRE eléctrico, onde juntos atravessam mares de Hip Hop e montanhas de Breakbeat.

DELA MARMY – “FLYING FISHES”// Dela Marmy, projecto em nome próprio de Joana Sequeira Duarte (ex The Happy Mess), apresenta o segundo single do EP “Captured Fantasy”, álbum editado no final de Março de 2020 (KPRecords*KillPerfection), com fotofilme para “Flying Fishes”. Esta colaboração artística conta com o fotógrafo Alípio Padilha, a realizadora Joana Lourenço e a própria Joana Sequeira Duarte. O fotofilme parte da ideia contida na composição musical, em justaposição à letra. Assim, identificando na música os temas continuidade, movimento, procura, leveza, melancolia e mantra, transpôs-se para o nível visual, e através da sobreposição fotográfica, diferentes nuances da aquietação entre o corpo e cosmos, esse lugar em reposicionamento constante perante as movimentações da vida e, da Natureza, da qual a primeira é parte integrante. “Flying Fishes”, a par da totalidade do EP, é produzido pelo músico e produtor Charlie Francis (também no baixo e misturas), com as participações de Nuno Roque (gravação e mistura), Vasco Magalhães (bateria), Tiago Brito e Steven Goundrey (guitarras) e Steve Fallone (masterização).

 


Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA