Viriatada de Novembro #1: Wild Maui, Hills Have Eyes, Alberto Indio, Silente, entre outros.

Viriatada de Novembro #1: Wild Maui, Hills Have Eyes, Alberto Indio, Silente, entre outros.

Mariana Matos

Esta é a Viriatada, o espaço que acolhe alguns dos lançamentos da música portuguesa desta semana.

HILLS HAVE EYES- “Agnes ft. Ryo Kinoshita of Crystal Lake”// “Agnes” é o novo single de Hills Have Eyes e fará parte do novo álbum que sairá no primeiro trimestre de 2021. Este novo tema conta com a colaboração especial de Ryo Kinoshita, vocalista dos japoneses Crystal Lake. A produção ficou mais uma vez a cargo de Vasco Ramos [Xande] e a gravação foi feita por Tiago Canadas & Wilson Silva, a mistura e masterização ficaram nas mãos de Jeff Dunne. No player podes ver o vídeo para “Agnes” que contou com a realização de Manuel Casanova.

PATRÍCIA DUARTE – “Acreditar”// Patrícia Duarte está de regresso aos temas originais com o lançamento de “Acreditar”. Dois anos depois da chegada do seu primeiro single, a cantora e compositora traz uma canção de «inspirar todos aqueles que sonham, lutam ou que, por vezes, deixaram de acreditar.» Tendo por base influências como Lianne La Havas, Joss Stone, Sara Tavares, HMB e tantos outros, “Acreditar” surge de uma vontade de criar música com verdade, sentimento e paixão, onde o público pode testemunhar este percurso de concretização, crescimento e auto-conhecimento que marca a nova sonoridade de Patrícia Duarte. Este tema conta com José Dionísio na produção e Pedro Serraninho na mistura e masterização.

KOMET- “Palm Trees”// Depois do EP “Mango Tree” e de vários singles editados, o artista volta agora com a canção “Palm Trees”. Apesar do tema ter um ritmo alegre, pretende passar uma mensagem mais profunda. Neste universo em particular, criado pela própria música, estas ditas “palmeiras” representam a ideia de auto-conhecimento. Para além disso, no vídeo de “Palm Trees”, KOMET traz a sua “namorada”, como forma de representar o público, nesta viagem figurativa de auto-descoberta e que mais tarde sofre um final abrupto, simbolizando as dúvidas que o artista tem sobre si mesmo.

SILENTE- “Silente”// Silente é o novo projecto de Miguel Dias (ex-Rose Blanket) e Filipa Caetano, e que conta com a colaboração do escritor/poeta Frederico Pedreira nas letras. O disco é o resultado de uma paciente maturação que se estendeu pelo período 2015-2019, durante o qual o gosto pela experimentação contribuiu para alongar, sem pressas, todo o processo criativo. As primeiras gravações datam de 2015, em Mindelo, tendo sido ainda feitas gravações em Figueiró dos Vinhos, durante 2017, para a captação de baterias e percussões. No entanto, a maioria das gravações foi feita em casa pelo Miguel Dias, que ainda fez a mistura. A masterização foi feita pelo Miguel Pinheiro Marques (Arda Recorders). A totalidade dos temas é de autoria de Miguel Dias que assegurou, igualmente, grande parte da instrumentação. As vozes são de Filipa Caetano, que já tinha colaborado com Miguel Dias no último disco de Rose Blanket, “Nothing Ahead Nothing Behind”. Participaram ainda no disco Miguel Gomes (guitarras em 2 temas e algumas percussões), Miguel Ramos (baixo em 3 temas) e Miguel Ângelo (baterias e percussões). Este primeiro disco, homónimo está disponível em todas as plataformas digitais habituais (Spotify, Amazon, YouTube, iTunes etc), bem como no site do projecto no Bandcamp. A edição física foi limitada e encontra-se a ser pensada uma forma de chegar às pessoas que queiram ter o disco no formato CD, já que se decidiu não recorrer aos espaços de venda habituais e também não sendo possível a venda em concertos, já que estes não existirão.

ALBERTO INDIO – “Porto-Lisboa”// Após o êxito do tema “Simples Assim”, o compositor e intérprete Alberto Indio lança agora “Porto-Lisboa”. A canção surgiu da ritual viagem do Porto para Lisboa e pretende passar a sensação de alguém que sofre de uma certa diferença e dicotomia. Ou seja, “Porto-Lisboa” é o reconhecimento de que nunca há uma percepção igual da realidade em quem vive dos dois lados.

LILITH’S REVENGE- “Hand on Heart”// “Hand on Heart” é o primeiro single da banda de hard rock do Vale do Sousa. Com influências do rock clássico, hard rock e metal, “Hand on Heart” é um tema que aborda a complexidade de um caso de violência doméstica e como se sente quem tenta sair de tal situação. Foi gravado por Jorge Lopes nos Redbox Studio.

INWATER- “Manufactured Heart”// O tema foi totalmente gravado, produzido, misturado e masterizado nos estúdios da Whale Records, por Miguel Moreira e Rui Duarte. “Manufactured Heart” é o mais recente tema da banda e estará presente no seu futuro álbum “Wet Dreams”. O quinto single deste novo projecto mostra-nos como, «por parto doloroso, os INWATER transformaram água em sangue, sangue em música, e música em encantamento. Esta metamorfose possibilitou revelar agora, em superfície visível, emoções nunca antes partilhadas pela banda. Num amor invertido, primeiro ouvimos a implosão, para em iluminante descarga, sermos brutalmente envolvidos em melodias e poesias, que não temos capacidade ou ferramentas para, na primeira passagem, as interiorizar.» “Manufactured Heart” está disponível em todas as plataformas digitais.

ECE CANlı- “Animancia”// É solo fértil aquele que se estende entre o Bonfim e Campanhã no Porto. Habitado por um invulgar experimentalismo que cruza artistas de várias áreas e se alimenta da massa crítica gerada pela Escola de Belas Artes, começa a ter uma forma muito clara o movimento de criação que, ao longo da última década, tem partido de lá para o mundo. Ece Canlı não nasceu no Porto, mas é aqui que tem construído uma carreira como artista, música e investigadora, explorando, através da voz, os estados liminais de corpos agonizados e demonizados, a narratividade contrafactual, o ‘delinking’ corporal e mental. É por cá que tem trazido novas dimensões extralinguísticas a projectos como os Nooito (duo com a harpista Angélica V. Salvi), os Live Low (banda portuense iniciada por Pedro Augusto) ou Cobra’Coral (trio vocal com Catarina Miranda e Clélia Colonna). Estreia-se agora a solo, naquele que é o primeiro tomo de “Vox Flora, Vox Fauna”, disco a ser editado a 27 de novembro pelo selo Lovers & Lollypops. “Animancia” é um dos oitos temas gravados em residência artística em Alpendurada, na proximidade com uma natureza que serve de fio condutor para o disco e que, assim como a relação do homem com o mundo em redor, se habita de céu e de inferno, de luz e escuridão.

TOO MANY SUNS – “Light”// O poema “The Laughing Heart” de Charles Bukowski serviu de inspiração para o título do álbum “Meaning of Light” dos Too Many Suns. A banda composta por Hugo Hugon (guitarra e voz), João Cardoso (bateria) e Vasco Rato (baixo), explica: «É um álbum que vive entre a sombras e a claridade. Quisemos que fosse inquieto e surpreendente entre músicas, nelas criando contrastes que permitissem ir navegando entre a escuridão e a (tantas vezes) inesperada força que a luz nos dá, se a acolhermos e aproveitarmos quando nos encontra. Quisemos explorar um vasto leque de emoções, às vezes contraditórias. Procurámos que as zonas de tensão e introspecção fossem colocadas à luz de libertação e leveza, sempre à espreita para aparecer. Divagámos por entre diferentes registos sonoros e líricos, mas sempre com a preocupação de salientar o valor da esperança, e a sempre presente possibilidade de libertação, mesmo em tempos difíceis e complexos. Depois do primeiro EP “Garden” lançado em 2019 e produzido em parceria com Gonçalo Formiga, o novo álbum atravessa vários mundos. “Meaning of Light” percorre um espectro que vai desde o folk mais introspectivo, ao grunge e noise reverberante, passando por um pop mais primaveril. Este trabalho conta com a produção minuciosa de Miguel Vilhena, que colaborou na construção de toda a paisagem sonora do álbum.» A edição física, a cargo da Pontiaq Records, ganha forma em K7, que inclui ainda um link para download e alguns extras. Todo o material está já disponível para compra e para audição nas plataformas digitais o mesmo dia. “Light” é o mais recente vídeo acompanhado de videoclipe.

CONAN CASTRO- “Nethervanilla”// Depois de “L’arrampicata” e “Mohawk Valley Fornula”, Conan Castro lança agora o seu terceiro single “Nethervanilla” através da Aldora Britain Records. O artista prepara-se para lançar o álbum “Shrimp Waterfall” a 27 de Novembro e estes temas estarão presentes no disco. Munidos de um sentido de depravação divinal e dos padrões morais mais baixos disponíveis, estes cinco Castros preparam-se para libertar canções acerca da injustiça, do amor, mentiras, opressão, sexo, violência, magia negra, liberdade, frutos do mar, perseguições de carros e, é claro, problemas informáticos. O som garage-punk-rock maníaco-febril dos Conan Castro and The Moonshine Piñatas nasceu no final de 2014. Oriundos do Barreiro, um subúrbio de Lisboa, reúnem Leite Castro e Lixo Castro (guitarras), Licor Castro (baixo), Lindo Castro (bateria) e Lama Castro (voz).

ROSA SPARKS – “Silence”// A banda já havia lançado, no mês de Outubro, o tema “No More” de forma a antecipar o novo EP “Social Distancing”, está previsto que seja lançado até ao final do ano, mas ainda não tem uma data certa. No que diz respeito a “Silence”, é um tema que fala sobre o lado negativo da tecnologia que traz afastamento entre as pessoas, relações virtuais muitas vezes construídas em falsos pressupostos, a solidão e a busca pela apatia geral relativamente às injustiças e ao pulsar do mundo real.

WILD MAUI – “Timeless” ft Johnny Disorder & Fantasma// “Timeless” é o quarto tema de apresentação do EP “Magnetic Solitude”, lançado a 9 de Outubro de 2020. Este tema, remete-nos para a ausência do tempo, aqui esse conceito é representado através de uma história de três amigos que fazem o seu dia-a-dia normal, até que se vêem obrigados a parar o carro. De repente são todos atraídos, quase como hipnotizados, para um clarão de luz, desconhecido. Começam a correr…perdendo a noção do tempo e de espaço. “Timeless” conta com a participação de Mike Ghost a.k.a. Fantasma e Johnny Disorder e já está disponível em todas as plataformas digitais.

JP Coimbra – “Vibra”// “Vibra” é o disco de estreia em nome próprio de JP Coimbra. Para JP Coimbra «é música maioritariamente instrumental feita com extrema liberdade, sem pensar em formatos ou condicionantes. No sentido em que procura em cada faixa construir um bolo sonoro coerente, repleto de referências que vão da música eletrónica à clássica.» O objetivo central do VIBRA foi combinar a plasticidade dos espaços públicos e suas inerentes características acústicas, na composição das peças musicais, criando autênticos “retratos sonoros” desses locais. O projeto foi gravado na Casa da Música do Porto, na Estação de Metro do Marquês, na Fundação de Serralves, no rio subterrâneo “Rio de Vila” por baixo da Rua Mouzinho da Silveira. Todo o processo de gravação foi captado pelo realizador Vasco Mendes e, será disponibilizado em formato documentário, no início de 2021. VIBRA já está disponível em todas as plataformas digitais (em exclusivo para o território português) e, também no formato físico em lojas especializadas. O universo musical de VIBRA vai ser apresentado no próximo dia 22 de novembro na Sala 2 da Casa da Música.

TIAGO PLUTÃO – “Homem da Montanha”// Plutão tem sido um mundo difícil de desvendar desde a sua descoberta; está localizado numa zona do espaço denominada Cintura de Kuiper. Através de imagens obtidas, verificou-se que Plutão possui um relevo bastante acidentado, marcado pela presença de um grande número de cadeias montanhosas. É lá que vive o Homem da Montanha, meio que a observar tudo ao longe de forma analítica e criteriosa. Atrevido, desafiador e despreocupado, vive a vida sem medos. “Homem da Montanha” é o single que estreia Tiago Plutão nos nossos ouvidos, é «uma música altamente espacial, que nos faz sentir como se os sintetizadores nos trocassem as órbitas, rodando de forma caótica ao som de backvocals hipnotizantes, mas sempre traçando piruetas musicais graciosas que só nos podem levar a um lado: um grande amor plutónico. Os cientistas suspeitam da existência de mais luas em redor de Plutão que irão acompanhar este single de estreia, mas por agora, podem ouvir o “Homem da Montanha” em todas as plataformas online e acompanhar a sua viagem através do teledisco.»

EGITANA